Terça-feira, 23 de Maio de 2006

O mundo não pára e a actualidade não tem hora

Já falei duas vezes das minudências da comunicação social, e acabei por me ficar sempre pela imprensa. A televisão é outra conversa. A questão não é tanto a falta de dinheiro; pode não abundar, mas também não falta. Há meios para por dezenas de câmaras (e respectivas equipas) num evento que o justifique — futebol, provavelmente. Os três “problemas” são a correlação audiências-receitas, a necessidade de imagem e o noticiário permanente. (Isto está com um ar muito doutoral, peço desculpa, mas quero ser breve e sucinto).

Quanto à correlação, é o seguinte: os meios electrónicos permitem contar as audiências minuto a minuto, em tempo real. Portanto amanhã já se sabe quantas pessoas assistiam a cada um dos canais hoje à noite. Os preços dos anúncios variam proporcionalmente, portanto para o canal é importante “fixar” uma audiência o maior possível durante o mais tempo possível. Como o controle remoto permite mudar de canal instantaneamente, sem levantar o rabo do sofá, toca a manter o interesse do espectador constante, o que só se consegue com muita agitação, luzes brilhantes e, com certeza, uma superficialidade gritante. Não dá para expor ideias que levam mais de 10 segundos a expor, apresentar casos que levem mais de um minuto a apresentar. Numa entrevista, ou num debate, se alguém fala durante mais de um minuto, o jornalista tem logo que o mandar calar – e durante esse minuto a câmera andou a passear pela sala, mostrou outros rostos, outras imagens. Neste ritmo, uma ideia que precise de mais de 150 palavras para se explicar, já não pode ser explicada. (Este texto até aqui tem 280 palavras.) Isto não é propriamente um “defeito” do meio, mas tem as suas consequências.


A segunda questão é a necessidade de imagem. Não é só estar sempre a mudar o que aparece no ecrã; é também, e sobretudo, ter alguma coisa para mostrar. Uma notícia sobre a subida das taxas de juros, por exemplo; o que é que se mostra? A fachada do Banco de Portugal, uma sala cheia de corretores em frente aos computadores, a linha de montagem da Autoeuropa (típico) – tudo imagens genéricas, e as pessoas já estão a mudar de canal. Então, o resultado é que notícias sem imagem não são notícias. Este critério elimina muita coisa importante e dá relevo a notícias da treta que têm belas imagens.


Finalmente, o noticiário permanente. O slogan da SIC Notícias é o título deste artigo, e já diz tudo. A verdade é que o mundo pode não parar, mas não anda tão depressa, e a actualidade tem hora. “Antigamente”, com os jornais, o noticiário saia uma vez por dia. Agora é de hora a hora. Não há notícias novas, interessantes, de hora a hora. Aí repetem-se as mesmas notícias várias horas. É mau, o espectador murmura “esta já vi” e muda de canal. Então, toca a inventar notícias, não-notícias (“estamos aqui em Vilar Formoso para mostrar que NÃO HÁ uma enchente de carros a entrar por esta fronteira” – SIC, verdadeiro), ou notícias da treta.


São estas as realidades do meio televisivo, e não vale a pena bramar contra elas. São um facto. Ultrapassamos o limiar máximo de acesso à informação. De um processo em que havia 50 notícias interessantes (por dia) e 50 sem interesse nenhum, caminhamos rapidamente para 1 notícia interessante e 100 não notícias. Há remédios? Haveria, mas não na sociedade em que vivemos. Talvez a revolução muçulmana o resolva, da pior maneira.

publicado por Perplexo às 23:15
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim


ver perfil

seguir perfil

. 21 seguidores

Veja também:

"Pesquisa Sentimental"

 

 

contador

pesquisar

posts recentes

Concurso de blogues

Voltarei

Silêncio...

Horta e Alorna

A Selecção, minuto a minu...

Cosmopolis

Millôr Fernandes

A maçã chinesa

Transigir ou não transigi...

EDP, o verdadeiro escânda...

arquivos

Janeiro 2013

Julho 2012

Junho 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

who?

Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!

subscrever feeds