Terça-feira, 23 de Maio de 2006

Quem manda na imprensa em Portugal

O Prós e Contras de hoje foi um prato cheio. Só perdeu quem quis, uma vez que já tinham sido anunciados os convidados e a mistura garantia muito sangue: Manuel Maria Carrilho e Emídio Rangel com as brancas, Pacheco Pereira e Ricardo Costa com as pretas. O tema vinha a propósito do livro de Carrilho, pois, como ele insistiu até ao fim, “este livro não é sobre a minha campanha eleitoral, é sobre o estado da imprensa em Portugal.” Falou-se sobre muitas coisas interessantes, e até coisas interessantes se falaram, suficientes para dez programas de Tv. e mil blogues. Não podendo abarcar tudo, vou limitar-me a uma das questões, mas antes não posso deixar de dar duas notas sobre o debate. Primeiro, que educativo foi, comovente mesmo, ver o Emídio Rangel a defender o bom jornalismo e a atacar as manipulações televisivas do noticiário. Rangel é um dos principais responsáveis pela introdução neste país do noticiário-espectáculo e do jornalismo não jornalístico. Só não foi ele que introduziu as manipulações porque chegou tarde, mas foi sem dúvida inovador. Rangel portanto, com o currículo que se lhe conhece, vem agora falar de probidade! Segundo, que estimulante foi o confronto de duas inteligências de faca afiada, Carrilho e Pacheco, um no género trauliteiro, o outro melífluo. Atiravam rockets envoltos em veludo através da terra de ninguém, onde pontificava Fátima Campos Ferreira, entre entusiasmada com a animação do programa e receosa que aquilo lhe saísse de controle. Mas então, entre outros assuntos congéneres, falou-se muito da “tenebrosa” acção das agências de comunicação junto dos jornalistas, comprando-os, aliciando-os, levando-os a distorcer os factos ou, no mínimo, mandando-lhes notícias facciosas que eles publicam sem contra-prova. Não faltaram argumentos morais do tipo “os políticos agora contratam mercenários para lhe fazer a imagem” e argumentos práticos, género, 70 por cento das notícias dos jornais são enviadas pelas agências. (Dito pelo Rangel e, francamente, sujeito a confirmação.) À nossa moral choca que a mesma agência possa fazer hoje a campanha do Sócrates e amanhã a do Cavaco – um caso concreto. Elas alegam, evidentemente, o profissionalismo; fazem-no por dinheiro, que não tem ideologia. Daí, aliás, o adjectivo “mercenários”. Depois, também, o facto dos jornalistas se deixaram comprar, não com dinheiro à vista (embora essa hipótese não fosse excluída) mas com presentes, pequenos favores, agrados vários. Pacheco Pereira até deu um exemplo: políticos em Bruxelas que pagavam a viagem aos jornalistas para eles depois publicarem as opiniões desses políticos, que de outro modo não apareceriam na comunicação social. Daí partiu-se para o facto de outros grupos de interesse, que não os políticos, também usarem as malditas agências para vender o seu peixe à imprensa. Ora bem, vamos por partes. Primeiro, é um facto corrente da vida moderna que todos os políticos (que podem), partidos e forças vivas do comércio e da indústria usam agências de comunicação. Se isso é bom ou mau, como princípio, pode ser discutido interminavelmente, mas é uma questão ultrapassada, pois elas cá estão e vão ficar, não podendo numa democracia haver mecanismos legais que as proíbam. Mas o facto é que a sua actividade em si não são um mal, nem sequer um problema. Se trabalham para A ou para B, sem pruridos ideológicos, é problema delas; como todos, de A a Z, as utilizam, a situação fica moralmente equilibrada. Numa sociedade cheia de ruído, é impossível fazer-se ouvir sem um alto-falante. Agora, se as agências, ou os políticos, ou os comerciantes, compram os jornalistas, já é outra questão. E era a ela que queríamos chegar. Veja-se o caso dos deputados. O que eles oferecem ao jornalista é uma viagem, sem condições, a troco de uma hipotética exposição. Mesmo assim, era muito melhor se fosse a redacção a decidir quem entrevistar, e a pagar do seu bolso a deslocação do jornalista, para estar completamente à vontade. Em muitos países, seria impensável o contrário. Mas neste país as redacções não têm dinheiro para isso. Para dizer a verdade, nem têm dinheiro para mandar os jornalistas de Lisboa ao Porto, quanto mais a Bruxelas, excepto em casos muito especiais. A opção seria não ter um artigo feito em Bruxelas, com um tipo que pode não ser muito fantástico, mas que sempre é um deputado português em Bruxelas. E há sempre a liberdade de se dizer o que se quiser, embora não se vá dizer cobras e lagartos… Estão a ver a coisa? O problema de fundo não é as agências, nem os políticos, mas sim a indigência da comunicação social. ("Os pobres não podem dar-se ao luxo de ser honesttos",podia ter dito o Paulo Portas.) À falta de meios, toca a aceitar a viagenzinha para ter um exclusivo. Também toca a usar as informações enviadas pelas agências, às vezes sem maior contra-prova do que um telefonema ou dois, porque não há dinheiro para por um jornalista passar dois ou três dias a levantar aquele material todo. Isto não quer dizer que haja corrupção contínua, mas é uma situação potencialmente perigosa e pontualmente vergonhosa. E a falta de dinheiro não é só para as despesas em serviço. É também para pagar a muitos jornalistas experientes, que sabem distinguir melhor o trigo do joio e contornar armadilhas. As redacções têm muitos estagiários, porque são baratos, e recorrem muito a freelancers, também baratos, uns e outros sem vínculo empregatício. Resumindo (podíamos enumerar mais limitações de qualidade motivadas pela falta de fundos) as redacções não têm dinheiro para fazer o seu trabalho, e as agências têm dinheiro para fazer o trabalho por elas. Isso é um facto real que leva a uma informação espartilhada, a constantes incómodos deontológicos e a eventuais casos graves. É o preço que pagamos pela pobreza, mas (ainda) não é uma situação catastrófica nem a democracia está em perigo. Também, se o público comprasse mais jornais de consequência e menos jornais da bola, as coisas podiam melhorar – ou não piorar. No fundo, todos têm o que merecem.
publicado por Perplexo às 02:43
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim


ver perfil

seguir perfil

. 21 seguidores

Veja também:

"Pesquisa Sentimental"

 

 

contador

pesquisar

posts recentes

Concurso de blogues

Voltarei

Silêncio...

Horta e Alorna

A Selecção, minuto a minu...

Cosmopolis

Millôr Fernandes

A maçã chinesa

Transigir ou não transigi...

EDP, o verdadeiro escânda...

arquivos

Janeiro 2013

Julho 2012

Junho 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

who?

Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!

subscrever feeds