Segunda-feira, 23 de Janeiro de 2006

O caso complica-se

“The plot thickens”, diriam os ingleses… Estou a falar do caso do “Envelope 9” momentaneamente esquecido dos media por causa das eleições, mas que não tardará a voltar à baila. Na sexta-feira, em plena “gran finale” eleitoral, Soto Moura foi à Comissão Parlamentar e explicou-se como pôde. Saiu-se relativamente bem - a avaliar pelas suas declarações, houve mais descaso, confusão e inabilidade do que dolo propriamente dito; mas vamo-nos apercebendo de que as coisas estão longe de estar explicadas - e provavelmente nunca estarão, até porque não é habito dos brandos costumes condenar alguém pelas trapalhadas no aparelho de Estado. No entanto, mais uma vez ficou evidente o lado político da questão. Ou seja, não se trata “apenas” de um caso que implica o bom funcionamento da justiça, os direitos dos cidadãos e as contínuas fugas de informação dos processos. Trata-se de um caso incluído num contexto político em que parece haver intenções ocultas à volta do Procurador Geral, por causa, ou a propósito, do “processo Casa Pia”. Primeiro, na altura em que Ferro Rodrigues foi considerado suspeito, e Paulo Pedroso indigitado (além de correrem por aí outros nomes) dizia-se que seria uma manobra oculta do PSD para desestabilizar o PS - o que efectivamente aconteceu, com a fragilização e quase destruição política de Ferro Rodrigues. Depois, Paulo Pedroso passou misteriosamente de bastante comprometido para completamente ilibado, o que levanta dúvidas de lógica: ou a Procuradoria se enganou redondamente, mandando para a prisão preventiva (e liquidação política) um cidadão inocente, ou cedeu a pressões políticas, essas da área do PS, ilibando-o depois completamente. Não seria uma altura do Presidente chamar publicamente Souto Moura para explicações, como há duas semanas? Agora, em que surge a questão dos registos telefónicos, a manobra seria do PS, para afastar Souto Moura antes da eleição de Cavaco, que parece que gosta do Procurador. O facto é que o momento escolhido pelo “24 Horas” para fazer rebentar o escândalo não pode ser casual - não há coincidências em política. Então, os complots andariam entre o PS, o PSD, e outros interesses ocultos, cuja identidade varia com a opinião do comentador: Cavaco, Socrates, pedófilos invisíveis e poderosos, forças ultra-conservadoras que querem desestabilizar o regime… tudo é possivel, uma vez que nada se sabe. Contudo, dentro destas “teorias da conspiração” há um pormenor que não chamou a atenção da comunicação social, por motivos de que noutra altura falarei. Trata-se da acção que criou o presente escândalo, a publicação das listas pelo “24 horas”. O jornal, lançado com a proposta notória de destronar o “Correio da Manhã” sendo ainda mais ordinário (palavra que resume vários adjectivos), notabilizou-se por uma sucessão de “furos” absolutamente inacreditáveis - tantos, que seria difícil enumerar, mas posso lembrar um caso típico: a primeira página toda ocupada por uma manchete gigantesca a dizer “O pai de Sócrates pede ao filho para não aumentar os impostos”. Não é preciso ser jornalista para avaliar uma notícia como esta, que na verdade não é notícia nenhuma. Mas não são as discutíveis opções editoriais do “24 Horas” que me deixaram a pulga atrás da orelha; afinal a direcção pode querer subir de nível e começar a investigar casos reais, com um mínmo de interesse para o público. Segundo Pedro Tadeu, director do “24 Horas”, disse nesse mesmo dia, em entrevista à SIC, a redacção levou muito tempo a “perceber o que havia nas cassetes” - ou seja, a detectar o filtro, localizar os utentes dos números, confirmá-los e fazer os cruzamentos. Portanto, as cassetes estavam na redacção pelo menos há algumas semanas. Fazem parte de uma devassa permanente do jornal aos documentos públicos do caso, não para o esclarecer ou trazer novos factos, mas sobretudo para o desacreditar, de um modo ou de outro. A notícia poderia ser publicada depois das eleições, que teria igual impacto, e subiria à mesma as vendas ou o nível do jornal (supondo que era essa intenção). Portanto, quando Pedro Tadeu diz que publicou agora porque só agora teve a informação completa, está a mostrar uma indiferença ou uma ingenuidade em relação ao quadro político que não são plausíveis num director de jornal. Ora bem, há seis anos, quando trabalhei na redacção da Capital, Pedro Tadeu era um dos editores; e não escondia a sua militância no PCP, antes fazia uma certa gala. Ao lembrar-me disto, telefonei a alguns jornalistas meus amigos, com duas perguntas sobre o que realmente me faz espécie. Primeiro, se um militante comunista é director de um jornal e lhe vai parar à mão um caso de grande importância política, consultará ou não o Partido sobre a melhor oportunidade de o publicar? Segundo, porque é que nenhum meio de comunicação social falou sobre esta filiação de Tadeu, conhecida pelos jornalistas da Capital, entretanto espalhados por outras redacções? Da segunda questão falarei noutra altura, para não me alongar muito. Quanto à primeira, todos concordaram que, por princípio, o militante certamente que coordenará a publicação com os interesses do Partido. A ideologia é mais importante do que a deontologia. E nem sequer se trata de omitir informação, mas de a por na rua num dado momento. Não estou a dizer que Tadeu tenha procedido dessa maneira, porque não tenho quaisquer provas, nem creio que fosse possível obtê-las; estou apenas a estabelecer uma probabilidade a partir de factos conhecidos. Não sou anti-comunista, nem sinceramente acredito que o Partido ande por aí a tentar fazer a Revolução (já lá vai o tempo); e não faço a mínima ideia quais os motivos que levariam o PCP a querer a cabeça do Procurador-Geral, a desacreditar o Poder Judicial em geral, ou o processo Casa Pia em particular. Mas não posso negar que estes factos levam a pensar.
publicado por Perplexo às 22:58
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

Veja também:

"Pesquisa Sentimental"

 

 

contador

pesquisar

posts recentes

Concurso de blogues

Voltarei

Silêncio...

Horta e Alorna

A Selecção, minuto a minu...

Cosmopolis

Millôr Fernandes

A maçã chinesa

Transigir ou não transigi...

EDP, o verdadeiro escânda...

arquivos

Janeiro 2013

Julho 2012

Junho 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

who?

Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!

subscrever feeds