Sexta-feira, 13 de Janeiro de 2006

Toca a trabalhar

Tinha pensado em mostrar perplexidade perante outros assuntos que não a política - hoje até me sugeriram que falasse de literatura e artes visuais, dois temas do meu interesse - mas as oportunidades recreativas do momento político são irresistíveis… Achei uma certa piada ao pequeno “Frente a Frente” entre Ruben de Carvalho e Pedro Ferraz da Costa, na SIC-Notícias - e desta vez reconheço que não fiquei perplexo. O tema foi as eleições, e nenhum deles disse nada de novo, nem fez uma daquelas revelações que nos deixam de boca aberta. O que teve mais graça foi os palpos de aranha em que Ruben de Carvalho se meteu para não admitir, de maneira nenhuma, que Jerónimo de Sousa não tem qualquer hipótese de ganhar, e para afirmar que a campanha do PC tem sido um sucesso acima de todas as expectativas. Ferraz da Costa não teve graça nenhuma, é claro; ostenta sempre uma expressão difícil de sintetizar, mas fácil de perceber: “como é que um tipo tão inteligente, tão perspicaz e tão lógico como eu, consegue viver neste mundo repleto de idiotas, confusos e líricos?” E de facto Ferraz da Costa tem aquela eficiência racional que caracteriza a direita empresarial bem instalada na vida, sem dificuldades em desmontar os lirismos da esquerda trabalhadora com o nível de vida em queda livre, e mesmo a dialética dos intelectuais estalinistas. (Convém não esquecer que Ruben era o director do Avante quando o jornal não publicou os resultados das eleições, por não condizerem com as previsões do partido… E também podemos lembrar que Ferraz da Costa foi o mentor dessa luminária mediática que dá pelo nome de Manuel Monteiro.) Mas então, o ex-patrão da CIP, já muito seguro com as sondagens que dão sistematicamente a vitória de Cavaco à primeira volta, teve um momento lapidar. Primeiro disse que é bom que este período de muitas eleições acabe depressa, para a actividade económica não sofrer mais perturbações. Ruben, pegando logo no gancho anti-democrático, retorquiu: “então você acha que as eleições são uma perturbação da vida do país?” Ferraz da Costa abriu bem os olhos, encarou o outro de frente, e atirou: “são sempre!” A seguir ambos disseram mais coisas, mas o recado estava dado. Bom era no tempo da outra senhora, quando as pessoas podiam até apanhar pancada da polícia durante as “eleições”, mas pelo menos não eram perturbadas tão amiúde com solicitações ao voto; assim tinham mais tempo para trabalhar, com grandes resultados para a economia nacional.
publicado por Perplexo às 00:02
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim


ver perfil

seguir perfil

. 21 seguidores

Veja também:

"Pesquisa Sentimental"

 

 

contador

pesquisar

posts recentes

Concurso de blogues

Voltarei

Silêncio...

Horta e Alorna

A Selecção, minuto a minu...

Cosmopolis

Millôr Fernandes

A maçã chinesa

Transigir ou não transigi...

EDP, o verdadeiro escânda...

arquivos

Janeiro 2013

Julho 2012

Junho 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

who?

Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!

subscrever feeds