Quarta-feira, 20 de Dezembro de 2006

Ano velho

É verdade, não tenho escrito grande coisa. Mas também, com certeza que não querem que me ponha para aqui a perorar sobre o descalabro do Iraque, a bandalheira do executivo municipal de Lisboa ou o grande best-seller do ano, "Eu, Carolina". Tem-se dito tanto sobre estes momentosos temas que é difícil acrescentar mais alguma coisa. Mas não resisto a umas pequenas notas.


Sobre o Iraque, acabei de ler uma longa matéria no New York Times sobre o "sistema judicial" do país. Os americanos fazem detenções atabalhoadas, no calor da refrega e acossados pelo medo, sem sequer falarem a língua dos suspeitos, que depois entregam aos buracos sem fundo das prisões iraquianas, onde ficam dois anos sem ver um advogado ou a família. Os julgamentos, feitos em tribunais iraquianos, duram 10 minutos e os acusados não falam com o advogado de defesa, que não viu o processo e apenas pede justiça. Penas de 30 anos de cadeia, condenações à morte, fugas espalhafatosas - há de tudo, menos a mais elementar justiça.


Quanto à Câmara Municipal de Lisboa, parece um recreio com crianças mal educadas a gritar umas com as outras, enquanto a cidade se afunda no caos. Como se pode ver no triste espectáculo do Prós e Contras, o problema não é os vereadores terem ideologias diferentes; o problema é que se detestam e têm as suas agendas próprias, que por acaso não coincidem com a agenda dos lisboetas.


Finalmente, o livro da Carolina, que acaba por ser uma história antiga: a prostituta que denuncia o seu gangster porque ele a largou. Tem dois méritos: primeiro, levou a que tipos que normalmente só lêem A Bola leiam um livro (segundo certas teorias, basta ler o primeiro para criar hábitos de leitura e passar a ler outros, progressivamente melhores...); e fez com que o ministério público se veja na obrigação de investigar casos encerrados por "falta de provas". No entanto, e apesar da boa escolha de Maria José Morgado (que pela sua sede de protagonismo não deixará de agir), não acredito que os principais protagonistas sejam condenados. Alguns intermediários, talvez. E a Carolina terá de fazer como o seu colega Saramago, emigrar para Espanha para viver em paz.

publicado por Perplexo às 09:28
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

Veja também:

"Pesquisa Sentimental"

 

 

contador

pesquisar

posts recentes

Concurso de blogues

Voltarei

Silêncio...

Horta e Alorna

A Selecção, minuto a minu...

Cosmopolis

Millôr Fernandes

A maçã chinesa

Transigir ou não transigi...

EDP, o verdadeiro escânda...

arquivos

Janeiro 2013

Julho 2012

Junho 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

who?

Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!

subscrever feeds