Quinta-feira, 5 de Julho de 2007

Lá vai Lisboa

Nas eleições para a Câmara Municipal, e pela primeira vez desde que há eleições em Portugal, não irei votar. Sempre votei em consideração pelo sangue, suor e lágrimas que tiveram de correr para que, finalmente, houvesse eleições neste país, e também porque acho que quem não vota não se pode queixar.


Alturas houve em que não gostava de nenhum dos candidatos (a maioria delas, para dizer a verdade) e tinha coisas muito mais interessantes para fazer, mas mesmo assim estes dois pensamentos sempre me levaram à escola mais próxima para depositar a minha escolha. Muitas vezes levei os meus filhos pequenos, perante os olhares de ternura dos outros cidadãos — há sempre o pensamento subjacente de que estamos a ensinar as crianças a cumprir o seu dever e que, de algum modo, votamos pelo futuro delas.


Votar é também validar o regime; não é por preguiça que a direita do antigamente nunca vota, com a justificação de que "é tudo a mesma cambada de vigaristas". São pessoas que não apreciam a democracia e não acreditam que o sistema possa resolver os nossos problemas. Mas a escolha de quem nos governa, por mais deprimentes que sejam os candidatos, permite pelo menos uma mudança de rostos, dá certos recados, e sempre muda alguma coisa - pode não melhorar as questões fundamentais, mas leva a pequenos ajustamentos.


Então, porque é que desta vez fico em casa ou vou à praia? Não acredito que nenhum dos candidatos vá resolver os problemas de Lisboa, de forma expedita e atempada. Não voto para protestar, não contra o sistema, mas contra os candidatos.


Para começar, há que ter em conta a demografia da cidade - e os pretendentes fizeram isso mesmo, ao começar as campanhas com visitas aos lares de terceira idade e ao enumerar um rol de promessas (vãs e inexequíveis) em prol dos velhinhos. A maioria da população residente no município tem mais de 60 anos. Há muita gente abaixo dos 60 na Grande Lisboa, mas não neste núcleo central que faz fronteira com Oeiras, Sintra, Amadora, Odivelas e Loures - os municípios para onde se mudaram os activos, atraídos pela habitação de má qualidade e pior gosto, sem estruturas de apoio e qualidade de vida, mas onde podem comprar a preços acessíveis - já que os preços no núcleo são proibitivos e não há mercado de arrendamento.


Esta seria a primeira mudança de fundo a fazer na cidade: torná-la competitiva em termos de habitação, mediante uma abundância de preços de compra possíveis e rendas baratas. Contudo, as políticas de habitação são nacionais, e portanto fora do alcance das câmaras. Seria preciso uma política governamental que favorecesse a reabilitação em vez da construção nova e, evidentemente, uma lei do arrendamento de mercado livre. No caso de Lisboa, não faz sentido que haja dezenas de milhares de fogos abandonados (40 mil, na última contagem), susceptíveis de ser reabilitados, modernizados e melhorados, e se continue a construir fogos novos, a custos altos e preços astronómicos. (Claro que faz sentido, na óptica da construção civil, pois o restauro exige mão de obra muito mais especializada e tem menores margens entre custo e lucro). Mas, precisamente no caso específico de Lisboa, a Câmara poderia contornar este problema de fundo, uma vez que é a maior proprietária urbana da cidade (e do país). Poderia, por exemplo, reabilitar ela os edifícios e colocá-los à venda, ou alugá-los por valores possíveis. (No caso de venda, o comprador obrigava-se a restaurar o imóvel e nele residir durante um mínimo de 10 anos.) Só não o faz por causa da pressão dos construtores civis, que veriam o seu negócio reduzir-se, ou pelo menos as margens de lucro diminuir substancialmente pela concorrência camarária. E não cremos que nenhum dos candidatos desta eleição tenha a competência, ou a capacidade, de contrariar a massa crítica da construção civil. São os empreiteiros que pagam as eleições, não esqueçamos.


Depois, há que pensar na qualidade da vida urbana. Esta questão está directamente relacionada com os transportes, os espaços verdes e os equipamentos urbanos. Se não houvesse congestionamento de carros e estacionamento selvagem, as pessoas poderiam usar os passeios e atravessar as ruas pacatamente; se os espaços verdes fossem bem pensados e melhor conservados, os tais velhinhos e as crianças poderiam passar o tempo agradavelmente. Quanto aos equipamentos urbanos, manteriam os munícipes ginasticados, divertidos e distraidos.


O trânsito não se resolve com estacionamentos subterrâneos. É impossível programar parques debaixo do chão suficientes para tantos carros. Aliás, os motoristas, sentindo-se completamente impunes, param os carros  nas entradas dos estacionamentos, que permanecem quase vazios. Tem-se argumentado que as pessoas precisam de usar os carros porque os transportes colectivos são maus; mas não é exactamente assim. As pessoas usam os carros porque gostam de os usar e têm preguiça de andar de colectivo; e é a existência de carros demais que tornam os autocarros muito lentos (depois de terem liquidado os eléctricos). A solução a médio prazo seria criar a tão ansiada Autoridade Metropolitana dos Transportes para coordenar os colectivos da Grande Lisboa e construir "parques dissuasores" nas estações de comboio e de autocarros na periferia. A curto prazo, é preciso magoar: uma taxa de circulação para a entrada na cidade, como já há, com grande sucesso, em Londres e Estocolmo, e se está a pensar em Nova York; e uma fiscalização do estacionamento verdadeiramente eficiente, com reboques e bloqueamentos - coisa que aliás se paga largamente com as multas. Mas também para estas soluções não nos parece que nenhum dos candidatos esteja verdadeiramente inclinado


A qualidade de vida também tem a ver com o estado das ruas e a manutenção dos espaços verdes. No caso dos espaços verdes, bastaria a solução muito utilizada em inúmeras cidades: as empresas patrocinam a manutenção, a troco de publicidade no mobiliário de jardim. Se essa publicidade não for berrante, compensa.


Há outros problemas e outras soluções a considerar, mas este post já vai longo. Só mais um comentário, sobre as famosas empresas municipais. Apresentadas como uma solução moderna, empresarial, para os problemas da cidade, não são mais do que cabides de empregos que escapam ao controle de contas do aparelho municipal. Para quê ter empresas a fazer pior e mais caro o que os serviços da câmara deveriam fazer com eficiência e custos controlados? Porque a câmara não é eficiente? Então dever-se-ia dar esses serviços a particulares, com tarifas tabeladas que lhes controlassem a margem de lucro (rentável, mas honesta) e por a câmara a fazer o que faz melhor - fiscalizar. O encerramento das empresas municipais foi proposto por alguns candidatos, mas ninguém acredita que o venham a fazer; há demasiados interesses em jogo.


Finalmente, e noutra ordem de ideias, o problema do excesso de funcionários camarários. Toda a gente sabe que há milhares de empregados municipais que foram colocados na prateleira nas sucessivas mudanças do executivo e que estão em casa a receber o ordenado. Seria preciso despedi-los, pura e simplesmente. E aqui nem vale a pena entrar em considerações sobre quem se atreveria a fazer tal coisa...


Gostaria ainda de falar de cada um dos candidatos - não dos 12, que nem sei quem são, mas pelo menos dos principais contendores. Talvez ainda vá a tempo, se não for para a praia. 

publicado por Perplexo às 01:16
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim


ver perfil

seguir perfil

. 21 seguidores

Veja também:

"Pesquisa Sentimental"

 

 

contador

pesquisar

posts recentes

Concurso de blogues

Voltarei

Silêncio...

Horta e Alorna

A Selecção, minuto a minu...

Cosmopolis

Millôr Fernandes

A maçã chinesa

Transigir ou não transigi...

EDP, o verdadeiro escânda...

arquivos

Janeiro 2013

Julho 2012

Junho 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

who?

Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!

subscrever feeds