Segunda-feira, 6 de Agosto de 2007

Ai, meu deus!

 


Um amigo meu precisou de ir à igreja colocar uma vela ao seu santo de referência. Porque é que ele precisou, ou aquilo em que acredita, não vem para o caso. A história tem a ver com o que ele encontrou.


 


Não sendo uma pessoa frequentadora habitual de igrejas, o meu amigo resolveu ir à do seu bairro - São Sebastião da Pedreira, uma peça não muito grande nem muito boa, escondida num largo muito discreto atrás do movimento intenso e contemporâneo da Av. António Augusto Aguiar. Era meio da tarde quando chegou, e deu-se com a porta fechada. Um papel pregado na vetusta madeira dizia que a porta estava a ser arranjada e podia-se entrar pela lateral. Essa lateral, pequena e chapeada a ferro como uma masmorra, também estava fechada. Uma senhora com ar rebarbativo disse-lhe agressivamente que a igreja só abria às cinco e meia. E lá voltou ele por volta das seis, a porta entreaberta e pesada. Dentro encontrou quatro velhinhas a rezar, tão velhas e tão amachucadas que mais parecia um filme de terror. Reinava a obscuridade, pois nem velas acesas se viam. Tudo tinha um ar velho, decadente, estragado. É inacreditável, pensou ele, o que aconteceu à igreja matriz duma das freguesias mais antigas e tradicionais de Lisboa. É verdade que a freguesia tem perdido continuamente habitantes desde a década de 60, e a Igreja Católica fieis desde mais ou menos a mesma altura. Mas um espectáculo de tal decadência faz tremer a alma mesmo do mais empedernido dos ateus. Na sacristia, o o meu amigo encontrou uma senhora igualmente antiga e sobriamente vestida. Queria comprar uma vela e colocá-la num sítio qualquer. A senhora falava com um tom... acossado. Disse-lhe que os tocheiros das velas tinham sido todos roubados. E que a porta principal estava a arranjar porque tinha sido seriamente danificada noutra tentativa de assalto. ("Não conseguiram arrebentar o ferrolho de cima, mas serraram-na em baixo.") E o sacrário também estava muito estragado porque tinham tentado arrancá-lo em mais outro assalto, parece que anterior a todos estes.


O meu amigo comprou a vela (não havia troco, e a mulher mal queria acreditar quando lhe deu a nota, para ajudar à porta), acendeu-a, lá fez as suas promessas, e depois teve de a apagar, porque não havia onde deixá-la. A senhora prometeu que a acenderia na missa, ao lado do altar, não se percebeu bem onde.


O meu amigo saiu da igreja completamente deprimido. Não por ter visto a igreja às moscas quase mortas, mas pelo que vê implícito nestes roubos. Não se trata de pensar em sacrilégio ou ira divina (coisa em que os ladrões também não acreditam, evidentemente) mas no que significa roubarem-se objectos sagrados para venda no mercado de antiguidades.


Quem rouba é ladrão, não há dúvida. Provavelmente não tem cultura, nem dinheiro, nem quaisquer valores disto ou daquilo que o levem a pensar duas vezes antes de cometer este atentado moral e cultural. Mas... quem compra? Tem dinheiro, portanto alguma informação há-de ter, e sabe muito bem que está a comprar património simbólico que só pode ser roubado, e a ofender as convicções mais profundas de muita gente. (Em última análise, também se arrisca a ir para o inferno, que pode não existir, mas que caso exista será certamente para tipos como ele...)




O meu amigo, que, segundo creio, não é crente, sentiu-se ofendido com aquele saque, para mais sabendo que os objectos jamais serão encontrados. Mas o que ele espera, sinceramente, é que a vela, mesmo sem castiçal, leve a promessa até ao céu.



publicado por Perplexo às 21:28
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

Veja também:

"Pesquisa Sentimental"

 

 

contador

pesquisar

posts recentes

Concurso de blogues

Voltarei

Silêncio...

Horta e Alorna

A Selecção, minuto a minu...

Cosmopolis

Millôr Fernandes

A maçã chinesa

Transigir ou não transigi...

EDP, o verdadeiro escânda...

arquivos

Janeiro 2013

Julho 2012

Junho 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

who?

Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!

subscrever feeds