Quarta-feira, 23 de Abril de 2008

Não se acredita

Há muito tempo que não escrevia aqui porque,como disse a certa altura, a minha capacidade de ficar perplexo se esgotou - jánada mais surpreende, de tão surpreendente que tudo é.


Contudo, a situação tem uma capacidade impressionante de se ultrapassar a si própria; ao caricato sucede-se e o dramático, e ao dramático o ridículo, e ao ridículo o trágico, e assim por diante, até acabarem os adjectivos, os superlativos e as hipérboles.


Esgotada a perplexidade "até às últimas consequências", talvez a palavra que mais se aplique seja"ultraje". É ultrajante para todos nós, pessoas normais e trabalhadoras, o espectáculo politico que se oferece diariamente a quem tem tempo e paciência abrir a boca ao abrir os jornais.


Estou a pensar no futuro, nas eleições do ano que vem, eleições essas a que concorrem todos os partidos com assento parlamentar e mais alguns que não têm sequer onde se sentar, mas que provavelmente seriam mais merecedores de atenção.


E estou a pensar no cenário que se apresentará, caso o PSD concorra com algum dos candidatos que se estão apropor, ou a propor que alguém os proponha. Não há palavras para descrever esta gente, mas contudo vou tentar, para ver se pelo menos descarrego um pouco da fúria surda que me assola.


Sai Luis Filipe Menezes, um homem que em seis meses a única coisa que disse foi queixar-se do governo e o que se sabe ter feito foi cometer gafes umas atrás das outras. Não se lhe conhece uma ideia,não se lhe assenta uma teoria, não se lhe conhece uma prática. É o nível municipal elevado a nível nacional. Mas afinal talvez não saia, e se trate apenas de uma manobra estilo Alberto João "Mugabe" Jardim: promover eleições para ganhar mais poder. Ou seja, utilizar um processo democrático para negar a própria democracia.


E, por falar no nosso Mugabe, parece que também ele será candidato. Tem até quem o apoie no partido, e não é só a clientela da Madeira. Só a ideia de que alguém possa considerar Alberto João como passível de ser Primeiro Ministro de Portugal já é de por os cabelos em pé. A ideia de que, num cenário ridículo, ele pudesse ganhar — nunca se sabe as voltas que o sistema pode dar, olhe-se o Santana Lopes — é aterradora. É também, uma volta ao passado salazarista, com umas pinceladas de pantomina contemporânea. Não sei sepoderemos ser considerados Europa numa tal hipótese.


E, por falar no nosso playboy, outro candidato possível é — imagine-se —Pedro Santana Lopes, o homem que não tem pachorra para ler um documento demais de três páginas, mas que tem outra coisa: o mérito de ter encabeçado o pior governo dos últimos cem anos, para não ir mais para trás. (Isto para não falar da pior presidência da Câmara Municipal de Lisboa desque a cidade foi conquistada aos mouros, no século XII.) Ridicularizado por toda a gente, derrotado avassaladoramente nas urnas, continua impávido, agora com tons de velho senador experiente. Por mais que se lhe dê na cabeça, continua sempre em pé, como aqueles bonecos de antigamente.


Mais outro é Manuela Ferreira Leite, uma burocrata feroz, completamente economicista, que já tem no currículo várias prestações barbaras ao nível ministerial. É também a pessoa menos mediática que alguma vez frequentou a media nacional — se for escolhida, isso demonstra o estadod e desespero a que o PSD chegou, pois a população, aterrorizada, jamais a elegeria para alguma coisa.


E, finalmente, Patinha Antão. Mas quem éPatinha Antão, além de ser um homem com um nome ridículo (deus me perdoe, masestas coisas têm de ser ditas) e um ar o mais antigamente que imaginar se possa?


Todos eles, sem excepção, representam o passado— um passado que gostaríamos de esquecer mas que, infelizmente, até pode ser o futuro.


Quem se deve estar a rir às bandeiras despregadas é Sócrates. Passou incólume por todos os escândalos relacionados com o seu carácter, convive com um Presidente praticamente correlegionário e não tem inimigos à vista. Não admira que dia a dia se mostre mais arrogante.


E nós? Bem, nós podemos sempre emigrar para a Turquia, ou a Albânia, assim que entrarem na UE. Pior não será, ou pelo menos não vamos estranhar nada.


 


publicado por Perplexo às 20:18
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

Veja também:

"Pesquisa Sentimental"

 

 

contador

pesquisar

posts recentes

Concurso de blogues

Voltarei

Silêncio...

Horta e Alorna

A Selecção, minuto a minu...

Cosmopolis

Millôr Fernandes

A maçã chinesa

Transigir ou não transigi...

EDP, o verdadeiro escânda...

arquivos

Janeiro 2013

Julho 2012

Junho 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

who?

Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!

subscrever feeds