Domingo, 6 de Setembro de 2009

Os dinamarqueses são anti-semitas?

 Não tenho escrito porque nada de novo tenho a declarar sobre os muitos acontecimentos do noticiário. Quer dizer, opiniões tenho, e até muitas, mas nenhuma delas é diferente das outras muitas que se têm lido por aí. Sempre pensei que este blogue não era para fazer saber o que eu penso sobre as coisas, mas para acrescentar alguma mais valia à discussão. Ou seja, não tendo um ângulo diferente ou uma nova opinião, não vale a pena estar a encher espaço com mais do mesmo.

Entretanto, também acompanho o que se passa no mundo, e o mundo anda um bocado afastado dos noticiários e da opinião pública, em parte porque a política nacional está a absorver todas as atenções (e o futebol, claro; mas isso é sempre). Fala-se por alto e en passant das coisas mais impressionantes — a luta de Obama para haver um SNS nos Estados Unidos, a situação cada vez mais perdida no Afganistão, e casos pontuais.

Mas, neste mundo em mudança, não param de acontecer coisas impressionantes e, possivelmente, com repercussões dramáticas.

 

Por exemplo, a polémica dos da venda de órgãos por soldados israelitas. Saiu no jornal dinamarquês Aftonbladet que as tropas das forças do IDF (as iniciais como é conhecido o exército de Tel-Aviv) tinham por hábito matar indiscriminadamente palestinianos para lhes tirar e vender orgãos.

Os israelitas exigem que o Governo dinamarquês peça desculpas e repudie publicamente o artigo. Os dinamarqueses dizem que a liberdade de imprensa do país deles é intocável e não responsabiliza o Governo.

É interessante que os israelitas não se incomodaram a provar que o artigo não diz a verdade, limitando-se a desmentidos formais.

Na sequência desta disputa, o ministro dos Negócios Estrangeiros da Dinamarca (que está a presidir à União Europeia) cancelou

 sine die uma visita que ia fazer a Israel.

Entretanto já veio um senador americano meter-se ao barulho, a dizer que a liberdade de imprensa tem limites, e que um deles é o anti-semitismo.

Leio isto tudo perplexo.

É evidente que a imprensa dinamarquesa pode publicar o que quiser e o governo não tem de pedir desculpas a ninguém por isso.

É estranho que os israelitas não apresentem provas concretas de que a história não é verdadeira. Talvez seja. É sabido que os israelitas são os maiores utilizadores de orgãos comprados aos miseráveis da Bósnia, Roménia, etc. As operações trocas e operações em Instambul. Isso está documentado e ninguém contestou (nem fez nada para impedir).

É significativo que o Israel, que é uma democracia e tem uma imprensa livre, faça uma interpretação tão grosseira e errada dos deveres e possibilidades do Governo dinamarquês.

 

É lamentável que não se possa dizer nada menos abonatório sobre Israel sem que se acene com a bandeira do anti-semitismo. Eles são justos, impecáveis, cheios de compaixão e vítimas do ódio incompreensível dos árabes, que insistem em querer matá-los todos sem razão aparente. Tudo o que se disser que saia fora disto, ou embacie um pouco a imagem, é anti-semitismo.

 

Dentro da mesma questão mas na barricada oposta, continuam a surgir relatos, sobretudo na Grã Bretanha e na Holanda, da crescente cedência dos poderes constituídos às exigências religiosas dos muçulmanos que vivem nesses países. Aparentemente só a França não está disposta a torcer a liberdade para acomodar os extremistas (se bem que a história do véu nas escolas me parecesse um exagero). A última que soube é que há tribunais na Holanda que levam em conta a Sharia quando julgam muçulmanos. Seria mais ou menos o mesmo se os tribunais levassem em conta a Inquisição quando julgam cristãos romanos. Já tivemos disso e sabemos como é.

Parece evidente os imigrantes têm de e acomodar aos costumes do país hospedeiro. Imigraram voluntariamente, sabendo o que os esperava. Se os incomodava tanto, fossem para outro país. Ou podem utilizar os meios democráticos para tentar mudar esses costumes.

 

A Europa está numa situação cada vez mais crítica, completamente dependente de países difíceis ou potencialmente inimigos para o abastecimento de energia, sem umas forças armadas que se vejam, com uma baixa taxa de natalidade, a ceder em questões fundamentais pelas quais derramou muito sangue, etc. etc.

Estas são as bandeiras da extrema-direita, mas onde a extrema-direita está errada é nas soluções que apresenta. Porque os problemas existem, e não é inorando-os que eles se vão embora.

Nós aqui, preocupados com a nossa própria miséria, não ligamos muito ao que se passa lá fora. Mas o que se passa lá fora é que irá determinar o nosso futuro.

Isto não é perplexante, é assustador.

publicado por Perplexo às 14:25
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

mais sobre mim

Veja também:

"Pesquisa Sentimental"

 

 

contador

pesquisar

posts recentes

Concurso de blogues

Voltarei

Silêncio...

Horta e Alorna

A Selecção, minuto a minu...

Cosmopolis

Millôr Fernandes

A maçã chinesa

Transigir ou não transigi...

EDP, o verdadeiro escânda...

arquivos

Janeiro 2013

Julho 2012

Junho 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

who?

Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!

subscrever feeds