Domingo, 13 de Novembro de 2011

Quem manda?

António Costa disse-o com as palavras suficientes na Quadratura do Círculo, mas outros comentaristas também já deram pela incongruência: Berlusconi, um primeiro ministro eleito democraticamente, não caiu por ter perdido a confiança dos eleitores mas porque os juros da dívida pública italiana passaram os sete por cento de juros no mercado internacional. Foi também a expectativa de insolubilidade que derrubou a primeiro ministro da Irlanda, David Trimble, em Maio de 2007. Os mercados derrubaram José Sócrates em Junho deste ano e Papandreou a semana passada.

Claro que se pode fazer um histórico político muito mais complicado de todas estas demissões, cada uma delas com características específicas; mas o denominador comum é o facto de governos eleitos pelos eleitores serem derrubados pelos mercados.

 

Os mercados não constituem uma entidade, nem os técnicos que os dirigem estão unidos para agir concertadamente; antes pelo contrário, os vários protagonistas (muitas centenas, talvez poucos milhares) competem entre si, a ver quem fica mais rico. No entanto pode considerar-se “os mercados” como um todo que segue a lei da oferta e da procura e que ganha dinheiro a prognosticar situações que por vezes são o resultado do próprio prognóstico. O que acontece é que “os mercados” não têm normas morais, nem obedecem aos interesses nacionais dos países. São supra-nacionais e, por definição, apolíticos; tanto lhes faz se o país A é uma ditadura ou se o dirigente do pais B é bem intencionado. Se o país C paga bem aos trabalhadores e o país D investe em betão.

O que medem é quando o país deve e qual a sua capacidade de pagar o que deve.

Actualmente, por causa da crise, toda a gente já percebeu este mecanismo, apesar da maioria das pessoas insistir que “os mercados” são maléficos, porque se estão nas tintas para a felicidade dos cidadãos. Mas quem tem de cuidar da felicidade dos cidadãos não são os mercados, são os governos eleitos por esses cidadãos.

 

O sistema é dinâmico, evolui sempre para outra coisa qualquer. A presente crise começou com a desregulação do sistema financeiro norte-americano. Sem controle político, “os mercados” precipitaram-se nunca correria ao ouro e tropeçaram na pressa.

Depois do crash, o poder político devia ter voltado a controlar o sistema financeiro. Estranhamente, não controlou. Aconteceu precisamente o contrário. Há um enorme desequilíbrio, no qual o poder político se tornou dependente dos resultados financeiros. Agora são os mercados que mandam, e não os eleitores.

 

Quando acontecerá o próximo equilíbrio?

Bem, há-de chegar a um ponto em que a diminuição da actividade económica na Europa será tal que os mercados não conseguirão extrair mais dinheiro. Muita dívida soberana e dívida privada ficará por pagar, o que corresponde a uma baixa de rentabilidade real do capital. Nessa altura, aqui em Portugal, estaremos nos níveis de consumo e qualidade de vida da década de 1960. (Em 2012-13 estaremos nos níveis de 1985).

Entretanto a agitação social fará com que a política tome novamente a primazia.

 

Como mudar isto? Com bons políticos, que tenham sentido de Estado. Que coloquem a felicidade dos cidadãos acima do equilíbrio das contas. Infelizmente, não há nenhum à vista. A Europa está entregue a gente menor, que só vê números à frente: as percentagens das eleições e as percentagens dos juros. Gente que diz o que for preciso para ganhar um voto e faz o que for preciso para baixar um ponto nos juros. Esqueceu-se do que era o projecto europeu, o objectivo de uma Europa homogénea nos direitos e nos rendimentos. Medíocres que se esqueceram da solidariedade e estão a voltar ao egoísmo dos nacionalismos.

 

Se não aparecerem meia dúzia de bons líderes nos próximos anos (meses), os “os mercados”, essas entidades anónimas e impessoais, vão engordar e engordar até rebentar – como o Sr. Creozote dos Monty Pyton.

Até explodir mais essa bolha e começar um novo ciclo, vamos passar anos muito difíceis.

Apertem os cintos.

 

publicado por Perplexo às 16:20
link do post | comentar | ver comentários (67) | favorito

mais sobre mim


ver perfil

seguir perfil

. 21 seguidores

Veja também:

"Pesquisa Sentimental"

 

 

contador

pesquisar

posts recentes

Concurso de blogues

Voltarei

Silêncio...

Horta e Alorna

A Selecção, minuto a minu...

Cosmopolis

Millôr Fernandes

A maçã chinesa

Transigir ou não transigi...

EDP, o verdadeiro escânda...

arquivos

Janeiro 2013

Julho 2012

Junho 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

who?

Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!

subscrever feeds