Terça-feira, 17 de Novembro de 2009

A momentosa questão do casamento homossexual

 Com tantos problemas prementes a chatear toda a gente, agora levanta-se a questão do problema premente duma minoria de gente.

As posições dum lado e do outro são radicais e coincidem com as posições em relação à interrupção da gravidez. Os católicos e os conservadores em geral (não são sinónimos?) são contra uma e outra coisa, e os ateus, agnósticos e liberais em geral são a favor das duas.

Os conservadores, não querendo utilizar os seus argumentos reais, que são logo ridicularizados como antiquados e fora do mundo actual, entrincheiram-se na questão do referendo. Isto porque sabem que num referendo a probabilidade de ganhar é enorme. A maioria da população não vê com bons olhos que alterem o “seu” casamento e é homofóbica. Compreende-se a sua posição emocional, mas de facto não têm razão.

Vamos por partes.

 

Do ponto de vista da legitimidade de decidir na Assembleia, ou seja, da legitimidade da Assembleia tomar tal decisão, não me parece que haja dúvidas. A Assembleia pode fazer leis, e para isso foi mandatada pelo voto. A maioria da Assembleia (PS, BE e PCP), que representa a maioria da população, tem poderes para tal. Quando as pessoas votaram sabiam que o casamento entre pessoas do mesmo sexo estava nos programas destes partidos.

 

Quanto à questão ética, que é a mais importante, há diferenças que justificavam um referendo em relação à interrupção da gravidez e não justificam um referendo em relação ao casamento homossexual.

A interrupção da gravidez tem a ver com o conceito de vida e do direito à morte. A maioria das religiões opõe-se à liberdade do indivíduo decidir sobre a morte (dele próprio e dos outros) e considera que é um assassinato, portanto um crime que não pode ser sancionado pelo Estado. No caso do assassinato, como no roubo, não se pode dizer que quem é contra não o cometa, porque o comete contra outro. Isto exigia um referendo.

Agora, o casamento entre pessoas do mesmo sexo só as afecta a elas e não há terceiros envolvidos. Portanto pode dizer-se que quem é contra não o pratique. É apenas um direito duma minoria, e como tal deve ser defendido pela Assembleia, assim como defende outros tipos de descriminação. Certamente que a maioria da população é contra, mas não tem nada com isso.

 

Claro que logo a seguir se levanta a questão da adopção de filhos por casais homossexuais. Quando o casamento se tornar legal, o problema vai levantar-se imediatamente. Só de pensar nisso, os conservadores ficam de pelo eriçado. A última decadência. E o último argumento.

Faz-lhes confusão as crianças serem educadas por homossexuais. Mas não lhes faz confusão as crianças serem educadas por casais disfuncionais, desavindos, litigiosos, violentos, etc. Nem lhes faz confusão as crianças serem educadas em reformatórios, asilos e abrigos. Não é possível dizer à priori se um casal homossexual educa melhor ou pior do que um heterossexual, ou uma mãe solteira, ou um pai sozinho. Fica exposta a “valores errados”? Basta ler o histórico dos heterossexuais em relação às crianças (qualquer Correio da Manhã, em qualquer dia) para se perceber quantas crianças são expostas constantemente a violências, abandono, violações, descaso, etc. Cada caso é um caso e não há generalizações.

Mas, entretanto, juridicamente o caso nem se coloca,. A lei já diz que uma criança pode ser adoptada por um adulto sozinho, ou por um casal. No primeiro caso, o homossexual só tem de dizer que é sozinho para se poder candidatar. No segundo, sendo o casamento heterossexual aprovado por lei, a lei não diz que tipo de casal, portanto os gays e as lésbicas ficam automaticamente incluídos.

 

Há uma coisa que sempre me deixou perplexo: porque é que os conservadores querem obrigar os outros a agir segundo os seus padrões? Os liberais não os impedem de continuarem a ser como querem. Quem quiser viver segundo os preceitos da Santa Madre Igreja (ou de qualquer outra proposta de vida) está à vontade.

Mas o facto é que não está; fica agressivo por o vizinho não seguir os mesmos ditames. Agora já não têm força para o fazer, mas tempos houve em que queimavam na fogueira quem não pensasse da mesma maneira.

Ora, vão-se lixar!

 

(Declaração de interesses: sou heterossexual convicto e tive uma educação católica completa.)

publicado por Perplexo às 01:16
link do post | comentar | favorito
4 comentários:
De ... a 17 de Novembro de 2009 às 11:37
E é que são raras as questões democráticas que ao serem aceite não interferem com outras questões. A não ser, claro, com os homofóbicos É um direito, e ao qual a Igreja nem se devia meter, visto que nem o casamento civil entre pessoas de sexos opostos reconhece.
De Lisa_B a 1 de Janeiro de 2010 às 12:46
Excelente texto. Parabéns!
De Virgílio a 9 de Novembro de 2010 às 18:41
Olá, infelizmente não fui seleccionado para o curso de escrita criativa que começa hoje...
Talvez para a próxima.
Um abraço virtual e felicidades,
V.
De Filoxera a 20 de Abril de 2011 às 23:15
Estou totalmente de acordo.
Hipocrisias...

Comentar post

mais sobre mim

Veja também:

"Pesquisa Sentimental"

 

 

contador

pesquisar

posts recentes

Concurso de blogues

Voltarei

Silêncio...

Horta e Alorna

A Selecção, minuto a minu...

Cosmopolis

Millôr Fernandes

A maçã chinesa

Transigir ou não transigi...

EDP, o verdadeiro escânda...

arquivos

Janeiro 2013

Julho 2012

Junho 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

who?

Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!

subscrever feeds