Segunda-feira, 10 de Janeiro de 2011

Duplo azar – morrer, e na pior altura

A partir tarde de domingo o twitter, depois os blogues, e finalmente os noticiários não falaram de outra coisa se não o passamento hardcore de Carlos Castro, numa cena de romance policial. Talvez por causa desse clima de thriller: o hotel em Nova York, o homem assassinado com objecto contundente e depois castrado, quiçá num ritual macabro qualquer que porventura incluía sexo, drogas e rock’n’roll. Todos os ingredientes para alguma excitação mediática. Carlos Castro era um tipo especial de jornalista, que se dedicava a mexericar e futricar num pequeno mundo que se acha o mundo todo. Fora as fãs das revistas sociais e esse universo umbiguista e vão, provavelmente ninguém saberia quem ele é. Dos que o conheciam por razões profissionais havia quem o achasse um senhor finíssimo e deferente para com as figuras mediáticas que ele ajudava a mediatizar, havia quem o detestasse, e finalmente a maioria que se estava nas tintas para aquele género.

Morreu mal, coitado, e isso ninguém deseja a ninguém, mas fora essa morte de série policial e uma carreira muito especializada, nada justifica a cobertura que entretanto se instalou na comunicação social. Em todos os alinhamentos dos canais havia novas entradas sobre o caso ou, não havendo, repetiam-se as antigas até à exaustão.

Finalmente, segunda-feira, a escolha de Mourinho como melhor treinador do mundo entrou pela programação adentro e tudo o mais ficou para trás, até as questões da dívida externa e as bocas dos candidatos presidenciais.

Mourinho é uma pessoa de quem nos podemos orgulhar, numa sociedade em que o orgulho anda pelas ruas da amargura. (Não faltará quem diga que a vitória de Mourinho é mais uma manobra de Sócrates para  nos fazer esquecer as desgraças, os escândalos e a chafurdice em geral.)

 

Enquanto tudo isto aconteceu, morreu Vítor Alves.

Vítor quem? Ah sim, um daqueles tipos de Abril... Comunista? Ah não, era dos outros? Pois coitado, toca a todos.

Na televisão passou uma curta peça em dois noticiários, um deles sem imagens. No twitter nem uma referência. Nos blogues ainda não vimos nada, mas é impensável que certos blogues da linha “25 de Abril Sempre” não falem do assunto. Elogios bombásticos, porém discretos.

Agora, vamos lá ver: o que é um Herói Nacional? Um HN é um tipo que arrisca a vida, com grande coragem, para o bem do país, sem pensar nem esperar uma posterior compensação. Hoje em dia já não se fabricam HN porque não temos guerras – um bom campo de criação de heróis — nem opressão contra a qual lutar nem, na generalidade, propensão para sermos heróis ou andar à procura deles.

Mas Vítor Alves era um herói. Foi um daqueles tipos que arriscaram a pele – literalmente – para que este país desse um passo em frente e entrasse na contemporaneidade. Que saibamos, não se tornou depois uma vítima inconformada ou um arrogante armado ao pingarelho. Viveu o seu estatuto de herói com elegância e sem espalhafato.

Mas no fim teve dois azares. A malasuerte de chegar ao fim, e a injustiça de fazê-lo na mesma altura em que duas figuras magnas do universo luso tiveram os seus momentos de glória.

Cinicamente, poderíamos dizer que foi o sucesso da Revolução do Vítor Alves que permitiu a indiferença aos verdadeiros heróis que temos agora, porque já não precisamos deles.

Ou estamos desesperadamente, aflitivamente, a precisar?

publicado por Perplexo às 23:13
link do post | comentar | favorito
3 comentários:
De Pedro Guilherme-Moreira a 12 de Janeiro de 2011 às 19:05
Meu caro, esta lucidez também morre todos os dias e não é objecto noticioso. Discordo apenas de si num ponto: o que se passou com o cronista é um bom pretexto para um reflexão alargada sobre os novos paradigmas comunicacionais. Tem-me servido de exemplo, desde Domingo. O que somos uns para os outros? Que corpo temos? Quem merece protagonismo, quem pensa ou quem aparece? Abraço e obrigado.
De JOSÉ PIRES a 17 de Janeiro de 2011 às 16:06
AMIGO: Salgueiro(s) Maia e Vitor(es) Alves, são uma “confusão” para estes “senhores” desgovernantes, médias e para este povo, quase acéfalo. Vive-se de entretenimentos patéticos e… DESESPERADAMENTE e AFLITIVAMENTE NECESSITAMOS de HOMENS ASSIM !!! Os verdadeiros heróis que tão maltratados foram no pós 25 de Abril de 74 NÃO INTERESSA LEMBRAR pois… “valores” mais altos se levantam !
VIVAM OS CAPITÃES DE ABRIL !
VIVA A LIBERDADE !
Não à libertinagem e à corrupção !
Um abraço LIVRE de um HOMEM LIVRE !
José Manuel Pires C. Cidadão Nº 3962256 / 8ZZ6
http://josepiresapresidencia.blogspot.com/
De Ana a 23 de Fevereiro de 2011 às 12:15
Gostei muito de ler os seus posts.
Cheguei cá pelo SAPO e logo "a perplexidade" recente sobre o Armando Vara me caíu no goto...

Vou passar a lê-lo mais frequentemente.

Comentar post

mais sobre mim

Veja também:

"Pesquisa Sentimental"

 

 

contador

pesquisar

posts recentes

Concurso de blogues

Voltarei

Silêncio...

Horta e Alorna

A Selecção, minuto a minu...

Cosmopolis

Millôr Fernandes

A maçã chinesa

Transigir ou não transigi...

EDP, o verdadeiro escânda...

arquivos

Janeiro 2013

Julho 2012

Junho 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

who?

Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!

subscrever feeds