Sábado, 11 de Outubro de 2008

Câmara esclarecida

Finalmente, ao fim de anos de apresentações ridículas e escolhas surrealistas indigentes, o canal 2 lá se sai com um programa cultural bem feito e informativo — talvez um pouco pedante, mas isso é inevitável nas demonstrações dos intelectuais, aqui ou na China.


Já devia ter falado na “Câmara Clara” há mais tempo, mas entretanto a “situação”, a “crise”, e o noticiário avassalador (para não falar nos estados de alma”) têm-me mantido a cabecinha numa roda viva.


Então, a Câmara Clara.


Clara é a Paula Moura Pinheiro, pois claro, com aquele cabelo brilhante preto, olhos ora lânguidos ora sibilinos e um critério quanto aos convidados que é sempre interessante. Para não falar numa agenda bastante completa, listas de livros que valem a pena e uma actualidade dos temas sempre atenta ao que acontece.


Desda vez o programa era sobre o Modernismo, a propósito de uma série de eventos relacionados com Fernando Pessoa. Os convidados eram Rui-Mário Gonçalves, crítico hoje-em-dia institucional, e Fernando Cabral Martins, especialista na matéria. (Acabou de lançar “O Modernismo em Mário de Sá Carneiro” e vai publicar um “Dicionário de Pessoa e do Modernismo”.)


Fiquei a saber muita coisa que não sabia, sobretudo no campo da trívia modernista.


Mas também tomei conhecimento de uma notícia inquietante: o espólio de Fernando Pessoa que ainda estava com a família vai a leilão no próximo dia 13 de Novembro. Não é muita coisa, se compararmos com o que já está na posse do Estado (e portanto de todos nós) mas tem o famoso dossier Allistair Crowley, publicações com dedicatórias, fotos e outra memorabília interessante. A questão que se põe, já estão a ver, é se o espólio vai ficar connosco ou viajará para outro país, ou ainda se se dispersa ou não (está dividido em lotes). Dado o interesse universal em Fernando Pessoa (o “Livro do Desassossego já tem três edições na China, fiquei também a saber) espera-se que as licitações subam a valores “inéditos em Portugal”. O Estado tem direito de preferência — mas o Estado não se pronunciou. Este suspense pode ser para fazer um favor aos herdeiros (se o Estado optasse, o valor não seria tão alto como no leilão), ou pode ser porque o Ministro ainda não conseguiu convencer o Primeiro de que vale a pena gastar este dinheirinho. Aguardamos ansiosamente. E entretanto lá vamos vivendo no Desassossego — do Pessoa e de toda a gente.


publicado por Perplexo às 13:44
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

Veja também:

"Pesquisa Sentimental"

 

 

contador

pesquisar

posts recentes

Concurso de blogues

Voltarei

Silêncio...

Horta e Alorna

A Selecção, minuto a minu...

Cosmopolis

Millôr Fernandes

A maçã chinesa

Transigir ou não transigi...

EDP, o verdadeiro escânda...

arquivos

Janeiro 2013

Julho 2012

Junho 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

who?

Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!

subscrever feeds