Segunda-feira, 14 de Março de 2011

Os factos, apenas os factos

Nota prévia, porque a confusão foi muita:

Correram paralelamente no FaceBook duas páginas principais e muitas páginas satélites.

Páginas principais:

-       Criado a 4 de Fevereiro, um GRUPO (ou seja uma página onde se juntam pessoas para determinado fim), chamado “1 Milhão na avenida da Liberdade pela demissão de toda a classe política” e que no dia 12 estava nos 30 mil membros. Têm um manifesto em que se dizem apartidários e que contam com os políticos honestos para por ordem no país e afastar os corruptos.

-       Poucos dias depois, um EVENTO (ou seja, um acontecimento com data determinada) que chamava “Geração à Rasca” e que chegou no dia 12 às 50 mil adesões. Tinha um manifesto onde se afirmavam apartidários e se queixavam dos recibos verdes, precariedade dos jovens, etc. Para esse Evento a organização convidou “todos os partidos” e os 230 deputados.

Havia depois uma dúzia de páginas que se apropriaram do título “1 Milhão”, umas grupos, outras eventos, e que propunham a mesma manifestação da Geração à Rasca, no dia 12. Algumas, poucas  tinham textos vários, um deles salazarista (isso mesmo, salazarista).

Para piorar a confusão, circulou um email feito por alguém de boa vontade e ideias confusas que, em nome do Grupo “1 Milhão”, fazia uma lista de 30 propostas desconexas para melhorar o país.

 

Agora, os factos propriamente ditos:

Nos primeiros dias as duas páginas cresceram rapidamente sem aparecer no radar da comunicação social. Mas não tardaram a surgir pequenas notícias, até que Pacheco Pereira comentou o fenómeno na “Quadratura do Círculo” e postou um comentário no Abrupto. Mário Soares dedicou um longo parágrafo da sua crónica no DN ao perigo de tais movimentações. Logo a seguir Miguel Sousa Tavares teceu considerações numa das suas aparições na tv. As três luminárias confundiram os dois grupos, dizendo que era uma manifestação da Geração à Rasca para demissão de toda a classe política e que se tratava de um movimento anárquico e fascizante. Anárquico porque não tinha líderes, fascizante porque quem é contra os políticos é, tal como Salazar, fascista. MST ainda falou depreciativamente do tal email “do grupo”.

Os jornais começaram a falar na manifestação, confundindo, uns mais outros menos, as duas páginas.

O grupo “1 Milhão” reiterou na sua página que 1) ainda não tinha marcado a sua manifestação, 2) apoiava a manifestação do dia 12.

 

Três acontecimentos vieram dar força e exposição ao evento programado e já tão esperado.

A 6 de Março os Homens da Luta ganham a representação portuguesa no Festival da Eurovisão, e ganham por causa do voto popular, muito incentivado em tempo real nas duas páginas.

No dia 9, o Presidente da República toma posse e faz afirmações surpreendentes: “É fundamental que a sociedade portuguesa seja despertada para a necessidade de um novo modo de acção política (…) Muitos jovens não se revêem na actual forma de fazer política nem confiam que (…) Portugal seja um espaço capaz de realizar as suas legítimas ambições. Precisamos de gestos fortes que permitam recuperar a confiança dos jovens nos governantes e nas instituições.”

Logo no dia 10 no site da Presidência sai um desmentido de que tais palavras fossem um incentivo à manifestação, mas o fogo estava ateado.

No dia 11 o Ministro das Finanças revela um compromisso assumido pelo Governo em Bruxelas que vem taxar fortemente os reformados e que não fora comunicado nem ao PR nem à AR. José Sócrates afirma que não tem que prestar contas a ninguém porque se trata de uma decisão do âmbito do executivo.

 

Ao mesmo tempo que a manifestação ganha lugar de destaque nos noticiários, multiplicam-se os comentadores, entre Ricardo Araújo Pereira e Rui Ramos, a rotular um acontecimento impossível de ignorar. O tom já não é de tanto desprezo como inicialmente, mas continuam os avisos de demagogia por causa da história de demitir todos os políticos, misturados com comentários sobre se esta juventude está realmente pior do que juventudes anteriores.

 

Sábado 12 as manifestações em onze cidades decorrem com muita alegria e sem sobressaltos. Estão presentes pessoas de todas as idades e todas as ideologias políticas, da extrema direita à extrema esquerda. Os partidos não se manifestam abertamente, apenas alguns líderes circulam no meio da multidão. Os números mais credíveis são 100.000 em Lisboa e 50.000 no Porto, mas as estimativas vão até a um total nacional de 300.000.

No Expresso de sábado, Miguel Sousa Tavares pede desculpa pela confusão entre as páginas e o email, não sem dizer de passagem que Mário Soares também se enganou.

 

Dia 13, domingo, ontem, o Evento da Geração à Rasca termina, imediatamente substituído por outro tipo de página: uma COMUNIDADE. O nome é Fórum das Gerações – 12/3 e o Futuro.

O Grupo “1 Milhão” apresenta Cinco Pontos com as ideias-base para o reformar o Estado – já é um texto de propostas e não mais de contestação. E fala da sua manifestação próxima – ainda sem marcar data.

Surgem variadas páginas a tentar organizar novas manifestações para 19 de Março (data já tomada pela CGTP...), 26 de Março, 25 de Abril.

 

E os comentadores? Alguns, entre Adelino Maltez e Luís Pedro Nunes, dizem que foi uma bela tarde e parecem finalmente em paz com o perigo do populismo e do fascismo.

Marques Lopes, no Eixo do Mal, não perde mais uma oportunidade de mostrar a sua boçalidade: “Foi uma manifestação patrocinada pelas forças mais à esquerda, não percebo porque é que foram lá uns tipos de direita fazer figura de idiotas úteis."

No blogue oficioso do PS, Jugular, Irene Pimentel mal contem a raiva e pega-se à discussão com os comentários dos leitores.

Em geral os blogues fazem uma crítica positiva ao acontecimento, sem deixar, evidentemente, de o colorir segundo as suas cores.

Os “Homens da Luta” são os grandes heróis do momento. José Sócrates, o vilão em queda para o abismo.

 

Continua...

 

 

 

 

publicado por Perplexo às 01:48
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim


ver perfil

seguir perfil

. 21 seguidores

Veja também:

"Pesquisa Sentimental"

 

 

contador

pesquisar

posts recentes

Concurso de blogues

Voltarei

Silêncio...

Horta e Alorna

A Selecção, minuto a minu...

Cosmopolis

Millôr Fernandes

A maçã chinesa

Transigir ou não transigi...

EDP, o verdadeiro escânda...

arquivos

Janeiro 2013

Julho 2012

Junho 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

who?

Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!

subscrever feeds