Segunda-feira, 13 de Junho de 2011

Santo António

Declarava a locutora da RTP em off, ao mostrar os noivos a sair da Sé, que esta é uma grande tradição de Lisboa que se mantém, para depois a câmara apontar para duas velhas bisbilhoteiras, e dizia uma para a outra, mas mais para nós, “pois não concordo, os casamentos são do Santo António, têm de ser pela igreja, não podem ser casamentos no civil”. Logo aparece António Costa e a locutora sempre em off pergunta-lhe se acha mal que os casamentos possam ser de homossexuais, ao que ele diz que essa é “uma polémica ultrapassada”.

Tão poucos segundos de emissão desinteressante e tantas coisas interessantes  para considerar...

Primeiro, há que dizer que as Noivas de Santo António – assim se chamavam originalmente – não são nenhuma tradição, a não ser que se queira considerar tradicional um acontecimento que começou em 1958 e esteve interrompido entre 1974 e 1996. A ideia, que partiu do Diário Popular mas teve a imediata e indispensável aprovação da “autoridade” era proporcionar um casamento pomposo e um enxoval a algumas raparigas alfacinhas cujas famílias não tinham meios. O Diário Popular, dirigido por Luís Forjaz Trigueiros, montou uma operação comercial a sério: as empresas forneciam os seus produtos, deste mobílias e electrodomésticos até enxovais e copo de água, a troco da publicidade que o DP dava ao evento. O controle dos casais escolhidos era total, indo até à virgindade das meninas.

Em 1974, por muitas razões, a “tradição” acabou. Veio a ser ressuscitada por João Soares, em 1996, já nos moldes actuais. Ou seja, passou a chamar-se Casamentos de Santo António, deixou de haver controle de virgindades e que tais, e foram incluídos casamentos civis ou de outras religiões. Num acordo com a Igreja Católica, ficou determinado que haveria pelo menos o dobro mais um casamentos na igreja. Daí que este ano tenham sido 11 pela igreja e cinco só no registo – as velhinhas reaccionárias não têm razão em queixar-se.

Segundo, não deixa de dar que pensar esta dicotomia entre as atitudes sociais a favor das minorias que sempre foram bandeira do PS e a posição quase anti-social do partido desta última fase socratiana – retórica à parte. Ao ver o António Costa a dar como ultrapassada a questão (infelizmente estas questões nunca estão ultrapassadas, porque quem é contra não desiste) – ao ver o António Costa, lembrei-me de como o PS era um partido sempre à frente, a favor dos da interrupção voluntária da gravidez, casamentos homossexuais,  da entrega de seringas aos toxicodependentes, etc. etc. Hoje em dia lembramo-nos do PS por razões muito menos simpáticas.

Terceiro, vale a pena lembrar que as Marchas Populares, ligadas às noivas como festas principais de Santo António, também não são uma “tradição” por aí além. Sabe-se que havia uma coisa parecida no século XVIII, mas não se sabe bem como era; o formato actual foi inaugurado em 1934, por iniciativa de Leitão de Barros, já integrado nas festas promovidas pelo Estado Novo para que o povinho se divertisse com tudo controlado. Na época fizeram sucesso e toda a cidade vinha para a rua vê-las; hoje em dia são um evento folclórico com intuitos turísticos, e parece bastante pobre e desenxabido. Foi preciso meter brasileiros ao barulho para dar alguma alegria, mas mesmo assim já ninguém se diverte a ver meninas ataviadas como se fossem ranchos folclóricos, com arquinhos e balões...

 

publicado por Perplexo às 02:21
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De antónio -implume a 13 de Junho de 2011 às 09:42
A tradição já não é que era... perdeu-se o controlo da virgindade? Por isso o mundo está como está, já não existe inocência em que se possa acreditar.

Comentar post

mais sobre mim

Veja também:

"Pesquisa Sentimental"

 

 

contador

pesquisar

posts recentes

Concurso de blogues

Voltarei

Silêncio...

Horta e Alorna

A Selecção, minuto a minu...

Cosmopolis

Millôr Fernandes

A maçã chinesa

Transigir ou não transigi...

EDP, o verdadeiro escânda...

arquivos

Janeiro 2013

Julho 2012

Junho 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

who?

Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!

subscrever feeds