Domingo, 24 de Julho de 2011

Seguro promissor

Lembro-me de ver nas revistas britânicas um anúncio para funcionário público; o que se pode dizer que atraia para tal profissão? Não se pode puxar para o lado emocionante, evidentemente... Então o anúncio dizia que era uma carreira segura (em relação a despedimentos), previsível, com reforma ao fim de tantos anos, etc. Ou seja: uma carreira sem surpresas até a pessoa morrer de velha. Para muitas pessoas será atractivo; para outras será a coisa mais chata que se possa imaginar, ter uma vida em que os horários, as promoções, as férias e a carga de trabalho podem ser previstos com trinta anos de antecedência.

 

É este tipo de sentimento que António José Seguro transmite, precisamente: nada de surpresas. Conduzirá o PS sem sobressaltos ou imprevistos, dentro do programado – exactamente como a carreira dele foi planeada ao milímetro. O que Seguro dirá e fará dentro de trinta anos é exactamente o mesmo que diz e faz agora, e que foi programado há trinta anos. O corte de cabelo, a postura, a expressão, tudo nos promete uma vida política sem sobressaltos.

 

Será isso que queremos na política? Imagino que para a maioria das pessoas sim, será. Nada de impostos imprevistos, orçamentos surpreendentes, programas inesperados. Os boys nos jobs, as taxas e os impostos de pedra e cal, os favores e os compadrios intocáveis. Qualquer sistema, por pior que seja, é melhor do que uma mudança de sistema, que traz desajustamentos, sobressaltos. A não ser que mudanças malvadas no mundo piorem a situação.

Para nós, é exactamente o oposto do que deve ser a vida e, por inclusão, a politica. É a ausência de imaginação e de magia, dois valores indispensáveis.

 

Seguro é o tipo de homem que quando sai pela primeira vez com uma miúda lhe conta em pormenor a sua doença hepática, ou o que faz nas horas de expediente, ou como se coleccionam selos. O discurso da vitória nas eleições do PS, escrito (e escrito há anos, apostamos) é uma lista dos lugares comuns que se devem dizer na ocasião, sem dizer nada de concreto. Não tem uma palavra de ousadia, um pensamento imprevisível, uma proposta inédita. Tem tudo o que precisa de ter – agradecimentos aos que o apoiaram, pedidos de apoio aos que se lhe opuseram, promessas de fazer uma oposição “responsável e consciente”, e todos os demais chavões. Escrito, porque nem mesmo esta lista de clichés há muito decorados ele se atreveu a dizer de improviso.

 

Passos Coelho também não tem carisma, mas é simpático, cordial, sorri muito, o tom de voz indica uma certa hesitação e perplexidade. Um gajo porreiro, disposto a arriscar outras fórmulas. Alguma emoção na governação. Seguro não tem carisma, ponto. Não consegue sorrir, nem olhar para o lado, nem titubear. São tudo formulários e fórmulas a que não se pode fugir. Já disse que não quer mudar nada numa Constituição que nitidamente precisa de mudanças.

Com estes dois a discutir, as tardes parlamentares serão completamente soporíferas.

 

E é interessante que Seguro seja exactamente o oposto do seu ídolo, José Sócrates. Sócrates era abrasivo, antipático, arrogante, sempre pronto para uma resposta torta. Mas Sócrates tinha carisma – e como. Tanto carisma que mesmo sendo abrasivo, antipático, etc. conseguiu ser eleito duas vezes. Aos debates com ele o que não faltava era animação, insultos, ameaças, apartes.

Seguro tem o charme de um contabilista a rever a declaração de IRS. Provoca a mesma excitação que ver um filme do Manoel de Oliveira. Um entusiasmo igual ao de uma missa solene celebrada pelo Arcebispo de Mitilene.

Vamos adormecer a ouvir a oposição, nestes anos em que de qualquer maneira está condenada a ser oposição. Daqui a oito anos surgirá então o líder do PS capaz de fazer esquecer as roubalheiras e as trapalhadas dos socialistas, altura em que estaremos também fartos das roubalheiras e das trabalhadas dos sociais-democratas.

 

Com Seguro não teremos apenas má politica; também teremos politica sem interesse nenhum. Um futuro promissor!

publicado por Perplexo às 12:29
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

Veja também:

"Pesquisa Sentimental"

 

 

contador

pesquisar

posts recentes

Concurso de blogues

Voltarei

Silêncio...

Horta e Alorna

A Selecção, minuto a minu...

Cosmopolis

Millôr Fernandes

A maçã chinesa

Transigir ou não transigi...

EDP, o verdadeiro escânda...

arquivos

Janeiro 2013

Julho 2012

Junho 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

who?

Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!

subscrever feeds