Segunda-feira, 15 de Agosto de 2011

Vítor e Álvaro, oiçam o Warren!

A página de opinião do New York Times de hoje traz um editorial surpreendente de Warren Buffet, dono e CEO da Berkshire Hathaway (que por sua vez é dona da Moody’s) e o terceiro homem mais rico do mundo.

Além do dinheiro e do poder que tem, Buffet é considerado um pensador iconoclasta e pouco convencional, frequentemente citado pelas suas afirmações tão pertinentes como provocatórias. Finalmente é um filantropo à medida da sua fortuna: prometeu legar 83% à Fundação Gates. Quanto aos filhos, disse: “Quero deixar-lhes o suficiente para que sintam que podem fazer o que quiserem, mas não tanto que achem que não precisam de fazer nada.”

 

Para ter uma pequena ideia do que pensa este homem, uma citação chega:

“Não sinto culpa nenhuma em relação ao dinheiro. O que acho é que o dinheiro representa uma data de pagamentos à sociedade. É como se tivesse uns papeizinhos que posso transformar em consumo. Se me apetecesse, podia contratar dez mil pessoas para não fazer mais nada a não ser pintar o meu retrato até ao fim da minha vida. E o PNB subiria. Mas a utilidade desse produto seria nula e estaria a tirar a essas pessoas a possibilidade de serem cientistas, ou professores, ou enfermeiros. Todavia não faço tal coisa. Não utilizo muitos papeizinhos. Não há nada de material que queira muito.”

 

Ora bem, sendo Buffet um super investidor, com certeza que os seus conselhos podem ser seguidos pelo Vítor e pelo Álvaro, uma vez que o nosso Governo em pouco mais de um mês já demonstrou a sua vontade politica (e ideológica) e apostar nos investidores. Como se sabe, os Estados Unidos também estão metidos numa alhada financeira maior do que as suas capacidades, com falta de investimento, desemprego e dívida soberana inflacionada.

E o que diz Buffet no New York Times?

 

“Os nossos dirigentes têm falado em “partilhar sacrifícios”. Mas quando os pediram, pouparam-me a mim. Perguntei aos meus amigos mega-ricos do que estavam à espera. Mas a eles também não aconteceu nada.

Enquanto os pobres e a classe média (...), a maioria dos americanos, luta para chegar ao fim do mês, nós, os mega-ricos, continuamos a beneficiar com extraordinárias reduções de impostos.(...) Alguns gerem investimentos que rendem biliões de dólares mas podem classificá-los como “juros” (“carried interest”) conseguindo assim um imposto à taxa de 15%. Outros compram activos futuros, vendem-nos dez minutos depois e pagam 15% de 60% do que ganharam, como se fossem investidores a longo prazo. (...)

No ano passado paguei apenas 17,4% sobre o meu rendimento sujeito a imposto, menos do que as outras vinte pessoas que trabalham no meu escritório. A carga fiscal desses empregados ficou entre 33 e 41%

Quem faz dinheiro com dinheiro, como os meus amigos super-ricos, pode pagar ainda menos do que eu. Mas quem faz dinheiro a trabalhar pagará certamente uma percentagem maior – provavelmente muito maior. (...)

No ano passado, cerca de 80% das receitas do Estado veio de Imposto sobre Capitais e IRS. Os mega ricos pagam Imposto sobre Capitais a 15%  e praticamente não pagam IRS. Com a classe média é diferente: em geral caem nos escalões (...) em que apanham pesadas taxas de IRS. (...)

De acordo com uma teoria que tenho ouvido, eu devia recusar-me a investir quando as taxas são muito altas nos ganhos de Capital e Dividendos. Mas nunca me recusei, e os outros investidores também não. Trabalho com investimentos há 60 anos e ainda estou para ver alguém — nem mesmo quando o Imposto sobre Capitais era de 39,9%, em 1976-77 — fugir de um bom investimento por causa dos impostos sobre o lucro previsível. As pessoas investem para ganhar dinheiro e os impostos potenciais nunca as assustaram. E, para aqueles que afirmam que impostos mais altos impedem a criação de emprego, lembro que houve um aumento de 40 milhões de empregos entre 1980 e 2000. E todos sabemos o que aconteceu depois: impostos mais baixos e menor criação de postos de trabalho.”

 

Em seguida, Buffet faz algumas propostas concretas para subir os impostos sobre o Capital e reduzir o IRS:

"Eu deixaria as taxas para 99,7% dos contribuintes na mesma e continuava com a mesma redução de 2% no que os empregados pagam. Esta redução ajuda os pobres e a classe média, que precisam de todos os descontos que puderem.

Para quem tem um rendimento superior a um milhão de dólares (...) subiria imediatamente o imposto para o rendimento colectável superior a um milhão, incluindo, evidentemente, dividendos e ganhos de capital. E para quem ganhe dez milhões ou mais, sugeria um aumento ainda maior na taxa."

 

Mas o que interessa para nós é apenas isto: um homem que sabe de dinheiro como poucos reconhece que taxar menos o capital e mais o trabalho é o caminho errado para recuperar uma economia – mesmo não considerando a injustiça social evidente.

 

Vítor e Álvaro, porque é que vocês não ouvem quem sabe, em vez de seguir os tristes capitalistas de meia tigela que vos andam a meter coisas na cabeça?

Nós agradecíamos.

 

 

Quem quiser ler a peça de Buffet inteira, está aqui:

http://www.nytimes.com/2011/08/15/opinion/stop-coddling-the-super-rich.html?nl=todaysheadlines&emc=tha212

publicado por Perplexo às 13:33
link do post | comentar | favorito
53 comentários:
De Gena Resende a 15 de Agosto de 2011 às 14:51
Olá,

Há cerca de oito anos, meu pai saiu dos USA, depois de lá ter estado praticamente 40 anos...Pagava impostos que era um horror, e teve de estar à espera que o Estado lhe reembolsasse um hipoteca feita por engano, mais de cinco anos!!! não é só cá que acontecem coisas do estilo. E quando veio, o seguro dele estava quase no limite e muito doente, por teimosia não quis subir o plafond . Referiu por mais de uma vez que o American Dream " estava a enterrar... e que o barco ou baluarte, creio que foi a expressão que usou, estava a afundar. nothing else to do"..."I had to run away "... e passados cerca de três anos, morreu. Mal cuidado e muito teimoso, esteve com alguns problemas de saúde, entre eles próstata e pelo facto de não lhe devolverem o dinheiro cobrado indevidamnente ...acabou por fazer um avc e bye !
Tenho histórias que contava que davam para um livro...
Tenha um bom dia...cá o barco também está`a afundar... e estamos todos nele!!

Gena Resende
De joao a 16 de Agosto de 2011 às 15:02
Fácil resolver a crise começa por criar locais de trabalho reduzindo as grandes superfícies que vendem de tudo mata o comercio tradicional que não e o pior mas sim as empresas q vivem dele são milhares dão trabalho a milhares o chinês (atenção ao metedo de trabalho que ele pratica) nos não podemos estar, bem quando em Portugal se compra calça de ganga a quatro euros e se manda fazer as bainhas na vizinha q cobra cinco euros mas não e só de hoje há uns anos mandaram para casa milhares de pessoas com quarenta ou menos anos com ordenados inteiros. Agora querem q trabalhamos ate aos setenta anos. Pagaram aos nossos agricultores para não trabalhar, agora querem q a juventude volte a aldeia .Os velhotes que ainda tentado ganhar para comerem, da terra que já são poucos exigem lhe de tudo, são perseguidos ate a desemperro. Deixem trabalhar os que ainda não provarão viver de subsídios .Prossigam os que roubam milhões e os que já não sabem como se trabalha por que vocês lhes alimentam os vícios com algo que tiram aos otários que querem levar uma vida direita com o trabalho
De Gena Resende a 16 de Agosto de 2011 às 15:42
Meu caro João,

A sociedade é um misto de problemas muito graves e não posso dizer que a política é culpada. A Política quando praticada comme il faut , é a mais nobre das ciências sociais e humanas!! Sou formada em política e sei do que falo.

O problema são alguns políticos...não podemos culpar os chineses, nem os Bangladeches , ou colombianos , brasileiros , e o raio que o parta... nós colonizámos durante quase 500 anos outros povos, imigrámos para todos os quatro cantos do mundo...agora, temos o reverso da medalha, de imigrantes, passámos a país de acolhimento,e isso de mandar para casa aos quarenta e tal anos, com ordenados inteiros...empregados do Estado, ou da Banca ou dos Seguros, a quem essas entidades pagavam os anos que faltavam para poderem ser reformados!!! Mas há casos como o meu, que criei cinco filhos, não tive baixas, a não ser de maternidade e na maiores foram de um mês apenas, e depois de 34 anos de serviço, sou obrigada a vir para casa com 40% dos salário!!!! Ah pois... porque neste país os exemplos que se dão, são os dos gajos que trabalham no Estado. Porra , e os outros??? Sempre trabalhei em multinacionais, sofri sabe deus o quê...para depois ter isto??? E ter de hoje andar a dar explicações e outras coisas no estilo a meninos burros do 12º anos, a 11 euros à hora e ainda pagar os transportes para isso???
Quando falamos que é preciso criar empregos, são as próprias pessoas que têm de agir, o Estado é algo cego e frio, não pode fazer tudo, as pessoas não podem ficar á espera...não se podem dar subsídios para matar a agricultura , a pesca, para parar de produzir vinho, azeite ou seja o que for....se há excedentes que se dê ao Banco alimentar, às inúmera ONG's que tanto precisam...não é apenas a bater no ceguinho do Estado, que é e foi mal gerido sempre, estar a governar, é como governar uma casa e ter envelopezinhos para pagar isto e aquilo...acudir a todos e conter despesas...não a comprar carros de serviço de 150 mil euros, ou a pagar telemóveis e viagens a este ou aquele que levam uma comitiva de cem pessoas...absurdo. O que está mal é este povo comer e calar e não agir, baixar-se tanto que se lhe vê a cueca!!! É como o casos dos motins em Londres e noutras cidades...ninguém pensa que há milhares de crianças de 13, 14 e pouco mais anos que vivem sem ninguém, sem nada, sobrevivem por essa Europa fora, passando de país para país...toda a gente sabe que há clandestinos, abusam deles, pagam-lhes metade, cobram-lhe impostos...e depois não querem que eles se rebelem??? Meu caríssimo João, que sigo com muita atenção e em cujas palavras encontro por vezes conforto, não podemos ser cegos, o mal está a minar toda a sociedade. Não podemos culpar imigrantes que procuram o indispensável para sobreviver...Há que mudar políticas, as pessoas têm de passar a contar , não como o resultado, um número de uma qualquer média ponderada, desvio padrão ou outra merda do estilo.
Temos de deixar de ser egoístas... a partir do momento em que se abriram fronteiras, nunca mais vai ser a mesma coisa....porque todos temos direito a ter o mínimo para sobreviver, mas não a ser explorados e a viver com subsídios para afundar mais, este País que é para mim o mais lindo do mundo ( e conheço alguns)...Um abraço e desculpe os meus desabafos.
Maria Eugénia
De nando a 16 de Agosto de 2011 às 21:20
cada um tem o que mereçe.
De Gena Resende a 16 de Agosto de 2011 às 22:30
Cada um tem o que merece???
Não percebo, este comentário, mas foi em resposta ao meu, quem é este nando??
Em tempos, noutra era, conheci um belo Nando de lindos olhos azuis escuros, certmente não é o mesmo!
De Eduardo Daniel a 16 de Agosto de 2011 às 22:34
Parabéns! é assim é que se fala, para esses malandros
De Eduardo Daniel a 16 de Agosto de 2011 às 22:38
Tambem adoro Portugal, é lindissimo, gostava de viver sem dinheiro, adoro o mar e campo, estou farto de crises enfadounhas.
De Gena Resende a 16 de Agosto de 2011 às 22:56
Eduardo Daniel, que lindo nome!!!
Pois é, O nosso querido e amado perplexo, falava de crises, fmi's e acabámos discutindo a ida para o campo e o que afinal todos procuramos...o nosso Shangrila .
Portugal é como diz um amigo suíço, un petit paradis ...
De Anónimo a 16 de Agosto de 2011 às 16:13
Ora aí está uma boa medida, mas que não interessa ao Governo, nem ao capitalismo.



De resumo a 16 de Agosto de 2011 às 21:55
Vá lá que ainda há burrinhos,para ir ganhando algum....
De Gena Resende a 16 de Agosto de 2011 às 17:34
Quero ir viver para o campo...e lá passar o resto da minha vida, ...mas a não mais de uma hora do mar, que me é vital.
Estou farta de ouvir falar de crise, de déficit , de balança de pagamentos, de fmi ou bce , de tudo. Estou perplexa com tanta ambiguidade, tanta promessa e tanta mentira...quero ir viver para o campo, ter uma horta e uma galinha, acordar com os pássaros à hora que aqui me deito, deitar na relva e ver as estrelas no firmamento, a vida da cidade é suja, vil, fria e calculista...é por isso que quero ir para o campo e era para lá que deviam ir todos os jovens. Se todos assim fizessem, talvez se resolvesse o problema. Lá no interior ainda há casas a 300 euros de aluguer...cá pagam um quarto ou parte de casa com isso.
Antes ir viver para o interior e criar os filhos sem os apelos de centros comerciais, e outras forças poluidoras do ambiente familiar e não são precisos mais subsídios... quero ir viver para o campo porque quero ser mais feliz!!
De J Sarmento a 16 de Agosto de 2011 às 19:36
Curioso que queira ir para o campo e quando fala em "campo" esse campo, tem de ser no interior do país...mas não dispensa o Mar e por isso não quer ficar a mais de 1 hora de distancia. Se me permite uma opinião, gostava de lhe dizer que não faltam campos para cultivar, por exemplo entre o Furadouro e a Torreira - imensas extensões de terreno, a maior parte delas abandonadas,.... e a 5 minutos do Mar. Tanta coisa a fazer neste País e faz-se tão pouco. Todos nós andamos preocupados e temos razões fortes para andarmos assim. Não nascemos para sustentar situações como a que nos foram impostas por políticos pouco sérios, jornalistas que não se cansam de nos dar as notícias de forma a porem nos a tremer. Enfim um horror. Hão de vir melhores dias, assim o espero
De Gena Resende a 16 de Agosto de 2011 às 22:26
Caro J Sarmento,

Já expliquei a razão de querer ir viver para o campo(por acaso o meu tema de Mestrado em Antropologia, ou melhor seria a minha tese, ficou pela proposta de tese do pós graduação). O mar é-me vital, lá está está a falar com alguém que não conhece e não queria abrir muito quem sou, não gosto muito de me expor. Mas fui nadadora mais de 20 anos, o mar é onde a minha pele resplandece...(peneiras!). Com 16 anos eu e um amigo...já lá vão muitos, fazíamos a nado até à barra dos pilotos e voltávamos..ao ponto de partida, a praia da Parede. Hoje nem pouco mais ou menos me aventuro a isso, nem tenho folego, apesar de ter uma bela caixa de ar.
Quero ir para o campo e ter uma horta não para andar a cavar para os outros...há muito quem viva de subsídios, porque não propõem às pessoas hortas comunitárias?? Porque estão esses terrenos ao abandono?? Quero ir para pensar, pintar, dormir, viver! E de preferência numa região perto do mar, conciliando as duas coisas, para se me apetecer, montar uma bicicleta e ir dar umas braçadas!....a costa lá de cima no norte tem vários inconvenientes..a água é gelada e o mar é muito bravo. Há outros sítios melhores...por exemplo Grândola, Santa Margarida da Serra, Arrábida, Serra Algarvia...o que não falta é sítio e vontade e determinação.
De Anónimo a 16 de Agosto de 2011 às 20:08
Vivo no campo ( Ponte de Lima ) a cerca de 15 Anos. Depois de ter estado em Lisboa 30. É uma vida maravilhosa para quem tem / ganha dinheiro sem dificuldades, caso contrário é preciso imaginação e sacrifício. Aqui as oportunidades de trabalho são menores, do que nas grandes cidades. Embora a pobreza, aqui, é mais fácil de ultrapassar. Talvez, porque para viver, se precisa de menos. Se se for vegetariano, ainda é mais fácil e barato ( o problema é suportar os carnívoros ignorantes ). Não voltarei, para a cidade. Não conseguiria viver sem o som da Natureza. Poderei passar ao lado da riqueza material, mas a vida é demasiado curta, para prescindir das " emoções dos sentidos ", oferecidas pela vivência em comunhão com a Natureza( é precisa sensibilidade - muita ). Boa sorte.
De Gena Resende a 16 de Agosto de 2011 às 22:08
Caro anónimo...geralmente não respondo a quem se esconde, mas como gostei do que escreveu...quero ir para o campo, porque preciso encontrar paz, serenidade, uma vida simples onde deixe fluir o que há cá dentro. Quero uma vida simples, não luxos, nem como outra pessoa aqui escreveu que há campos para cultivar na Torreira...vou em busca de mim, preciso silêncio, deixar filhos e demais para trás, procurar o que pretendo para o resto da minha vida. E estou-me borrifando se há pessoas que aceitam, percebem ou não. Vai ser assim, porque eu quero e ponto.
Poderia aqui estar a escrever sobre isso horas, travei conhecimento com muitas pessoas que fizeram o percurso ao contrário e não se arrependeram, pelo contrário. Podem ter menos em termos materiais, mas têm certamente em termos espirituais. Antes ir para o Alentejo do que para um retiro na Índia... e isso já me passou pela cabeça. Não se devem julgar as pessoas só pelo que elas escrevem, por vezes de ímpeto.
Mas ainda bem meu caro anónimo, que está bem...se muita gente fosse, quer apostar que os empregos também se deslocavam?? O problema é que toda a gente quer viver em Lisboa ou na linha e depois andam a fingir que são isto e aquilo...odeio pretensão e estou farta de hipocrisia. Tenho o direito de viver o que eu quiser, como eu quiser e com quem eu quiser, para o resto da minha vida e garanto-lhe que já estou na segunda metade...
De Gena Resende a 16 de Agosto de 2011 às 22:35
É mesmo desse silêncio da natureza que careço.
Quanto ao vegerianismo, até estou a precisar de uma dietazinha e a virar para não o vegeteranismo puro, mas a meio caminho.
O seu último parágrafo, vou guardá-lo, "não conseguiria viver sem o som da Natureza, belo!!!
De Paulo Jorge a 16 de Agosto de 2011 às 11:57
Mas e de quem é a culpa? dos tristes capitalistas que mexem os cordelinhos ou da classe média que se deixa "comer" sem nada fazer?
É isto que me deixa perplexo: a classe média, supostamente, é a maioria da população, seja aqui seja em qualquer outro país ocidental. Mas, seja por que razão for, está anestesiada, com plasmas e tablets e coisas que tais (para isto há sempre dinheiro) e não quer saber dos que todos os dias lhes decidem o futuro.
E já para não falar das supostas organizações de defesa da classe média... a começar pelos sindicatos e partidos de esquerda. Esses só querem saber dos seus próprios bolsos.
A sociedade está moribunda, ninguém quer saber, e sinceramente não vejo uma saida.
De Patrick a 16 de Agosto de 2011 às 14:01
Paulo Jorge: Concordo a 100% consigo!
De José Fernandes a 16 de Agosto de 2011 às 18:15
Concordo de todo, com o seu comentário.
Há uns dias, a minha filha mais velha (13 anos) disse-me , durante uma conversa sobre a escola, que queria estudar o mais possível , para aos 20 e poucos anos, se pôr a andar daqui para fora, queria ir para a Austrália ou lá por aqueles lados. Em conversa com a mãe, contei-lhe o teor da conversa e ela disse-me que o mesmo, já a minha filha lhe tinha dito. Pasmem-se, com 13 anos, já estão a pensar em sair daqui para fora. Que futuro terá este nosso País, com a cambada de políticos incompetentes, que nos têm gerido nestes últimos 30 anos? Se eu errar, sou punido, se me esquecer de pagar um imposto, a tempo e horas, sou tratado como um criminoso, e à gentalha que se tem enchido à nossa custa, nada acontece, veja-se a relação Cavaco/BPN , uma vergonha.
De José Carlos a 16 de Agosto de 2011 às 19:29
vê-se logo a escumalha a que pertences, foi o socialismo que nos deixou neste estado (15 anos a governar) è bom lembrar que os politicos mais bens pagos em portugal, são Jorge Sampaio e Mario So(ares)
De J Sarmento a 16 de Agosto de 2011 às 19:45

Oh Sr José Carlos, tenha calma, nós só estamos aqui para passar o tempo. Creio que não é para enxovalhos, se não, vou-me já embora
De José Fernandes a 16 de Agosto de 2011 às 22:01
Caro Sr. como é que o Vexa. sabe a que cor é que eu pertenço? Se foi pelo comentário que escrevi Vexa. está enganado. Eu, na minha maneira de ver as coisas, tenho todo o direito de dizer que Cavaco Silva é um dos culpados de termos chegado ao estado a que isto chegou, não é preciso ser de esquerda, para chegar a esta conclusão, basta fazer uma pesquisa (isenta!!) para chegar a essa conclusão. Socialista, não sou, nunca votei no PS, já votei em Cavaco, a quando da primeira maioria e isso dá-me o direito de o acusar (a ele e não a Vexa.) de traidor à Pátria. Quanto à palavra "escumalha" , bom, só a minha esmerada educação me impede de o mandar para o raio-que-o-parta ou outro sitio à sua escolha.
De J Sarmento a 16 de Agosto de 2011 às 19:44

No meu País, quando nasce alguém o Estado imediatamente rotula a criança de Mau Caracter. No dia em que morre, se tiver cumprido sempre as suas obrigações, o estado diz... afinal estavamos enganados - o (a) tipo (a) até era sério (a).
Lá fora a experiencia que tenho é que se passa o contrário. Nasce a criança e todos dizem - Viva Mais Um (a) sujeito (a) honesto (a). Mas um dia se "porta mal", aí sim o problema é sério.
De carlos a 16 de Agosto de 2011 às 19:40
Pois eu não concordo senão parcialmente. É verdade que a classe média se anestesia com um ou dois gadgets (ipads, smartphones, etc.) - faz-me lembrar uma piada que ouvi há meses na antena 3 em que se dizia que os impostos iam subir 600 euros, ou 0,8 LCD's ou 1,2 iphones para português perceber! mas quanto aos sindicatos e partidos de esquerda, somos nós que não lhes damos força e depois reclamamos dizendo que só querem encher os bolsos. Votemos neles e depois avaliemos o seu trabalho.
De ana a 16 de Agosto de 2011 às 12:03
Subscrevo tudo o que foi escrito no artigo e comentários. lembrei-me de uma conversa que tive com os colegas de trabalho quando este governo entrou, uns diziam isto vai mudar, vai ter de mudar!!!
Respondi, só acredito quando os vir mexer no bolso dos ricos. Sou como Tomé, vêr para crer. E não é que mudaram!! Mas... só as moscas...
De david a 16 de Agosto de 2011 às 14:41
é tudo verdade , só que os borregos (ileitores) metem o fucinho no châo e só querem é que ganhe o clube (partido) deles ganhe, por que este povo não tem nenhuma cultura politica, e para os partidos que nos teem governado, (nunca foi da idelogia deles que soubessemos o que é na realidade a politica)quanto mais estupido for o povo (de que tanto eles falam quando nos querem ir para o poleiro) melhor eles nos enganam. só lamento é que tivessem calado a GERAÇÃO Á RASCA, SE ALGUÉM SOUBER ONDE ESTÃO DIGAM-ME.
De Gena Resende a 16 de Agosto de 2011 às 15:48
David,

Conheço muitos!! Se quiser procure,eçles estão por aí, você deve andar distraído. Eles, apesar de estarem à rasca, estudam e tentam ser algo mais, mesmo estando a recibos verdes e dos que conheço, mais de 70% trabalha para o Estado!!! Fazem pós graduações, mestrados e ficam com 200 paus para comer!!!

Maria Eugénia
De nico a 16 de Agosto de 2011 às 12:09
apoiado
De alberto silva a 16 de Agosto de 2011 às 12:24
Dentro do nosso individualismo achamos que somos perfeitos e sabedores do mundo, Só que nem do nosso mundo individual damos rumo. Somos efetivamente mais burros do que supomos e nós, classe média cinzentona desprezamos as misérias da classe baixa com o medo de lá cair ou voltar, e pomo-nos em bicos de pés para chegar mais acima espezinhando, engraxando, bufando, roubando estúpida e egoistamente. Enquanto tal, o barco vai navegando à deriva até que se estatele e afunde...ou que a tripulação tome o leme e altere o rumo.
De Anónimo a 16 de Agosto de 2011 às 12:33
O Vitor e o Alvaro (eu diria numa visão mais lata, este PSD) nunca irão por estas sugestões. Porquê? Porque esta tem sido a posição do PC's e do BE's por este mundo fora: Taxar os rendimentos dos ricos! E o que é defendido pela esquerda "não pode ser coisa boa", dirá este PSD. Cegueira pura da direita em relação à esquerda, como no passado aconteceu da esquerda em relação à direita.

Nalguns pensamentos os extremos tocam-se!

Para que isso aconteça, penso eu, terão de haver anteriormente movimentos semelhantes noutros países. Só depois Passos daria eventualmente o passo. Ninguém quer fazer a "frete" de correr o risco de poder vir a ser chamado anti-capitalista, muito menos o Passos. "Cruzes, canhoto!"

Mas a sugestão tem todo o sentido, não por eu ser anti-capitalista, que não sou, mas por ver que não há mais por onde esticar a corda. E contrariamente ao que o PSD sugeria em diminuir os escalões do IRS, como justiça social (!? - não vejo como, nunca vi), deveria era aumentar o seu número.

Uma outra questão: o IVA para aviões privados, barcos de recreio, carros de luxo e outros bens que tais, não deveriam ter uma outra taxa de IVA mais elevada?

Bem hajam.

De Gena Resende a 16 de Agosto de 2011 às 16:34
"Os sonhos, são como os deuses...se não se acredita neles, morrem,
Cícero"

Gena Resende
De carlos a 16 de Agosto de 2011 às 19:42
Mas o que se passa com o CDS-PP? Estava contra mais sacrifícios, propagandeava o crédito às PME's, mais segurança, mais rigor nas Escolas. E agora, que se está a fazer tudo ao contrário, anda caladinho? O Portas ainda é vivo?
De RV a 16 de Agosto de 2011 às 12:43
Que estranho medo é este que existe no nosso país que leva os mais ricos e poderosos a pensar que estão acima de tudo e de todos. Na política, na justiça, no desporto, há sempre D. Corleones que dominam, esmagam e submetem os outros à sua vontade e de acordo com os seus interesses. Aberto J. Jardim, Pinto da Costa, Américo Amorim,..., só para citar alguns.
De jpf a 16 de Agosto de 2011 às 13:56
Não só concordo com tais factos como não posso deixar de lançar mais alguns detalhes para o que possam contribuir para o acordar desta letargia.
Quantos concelhos haverá com um numero de eleitores tão reduzido, e com toda a estruturas politica, gestão, e administrativa, intactas?
Fecham-se escola por falta de alunos....e os concelhos por falta de residentes???
Fundações.....quantas justificam a complacência do erário publico ??'
Institutos....quantos e quais vão fechar????
Forças armadas....que reestruturação ??? Quantos generais .... almirantes e outros que tais vão para outras funções....ou vão para a reserva ??? Quando haverá coragem para mexer nesta família ?? Ou será que temos de inventar algo para justificar a existência de todo este sorvedouro dos cofres públicos ??
Muito se fala do IVA.....porque não temos a mesma taxa que Espanha ??? e porque não é este pago pela venda e não pela compra??? Qual é o cenário das transacções desportivas ?? E os salários destes reis das arábias não deveriam ser taxados em escalões adequados?? Que justificação para tamanhos rendimentos que mais não são do que atentados á moral publica.
As offshore ..... etc...etc...etc... Que fiz eu para estar a pagar o constante aumento de riqueza de uns tantos coitados que cada vez são estão mais inchados.??? Uma coisa é certa...não ficam cá para semente....mas estão a deixar sementes muito perniciosas.........
De Gena Resende a 16 de Agosto de 2011 às 16:29
Hoje não saio daqui, deste blog!!!

E porque não haver as mesmas tarifas em toda a Europa??' O meu filho mais velho habita em França e trabalha na Suíça(esperto!)...e paga, com aquecimento central em casa, menos que nós, pais, pagamos em nossa casa de electricidade sem aquecimento. Porque não há livre escolha de fornecedores? Porque é que é tudo mais barato nos países estrangeiros?
Porque é que os alimentos quando chegam a um mês do final da validade, já esão a 50 e a 70% do seu custo??? Porque os comerciantes são honestos. E não é de hoje...há muitos anos eu própria vivi fora e já assim era. Se viajarem, e forem de manhã aos supermercados, há por todo o lado os productos em Action, todos com 40, 50, 60 e mais desconto...só pelas datas. Porque é que ainda anteontem comprei uma embalagem de queijo fresco cuja data acabava no dia seguinte??? A preço total?Claro, quando olhei e vi, devolvi!! Porque em Portugal há a politica de ver quem saca mais!!! É esse o problema.
De Sou+1 a 16 de Agosto de 2011 às 14:16
É tudo muito bonito... pois é... mas como diz a outra Srª. acima: fico à espera para ver... os ricos pagarem mais imposto? baixarem os salarios? acabarem com as pensões vergonhosas de quem apenas trabalhou meia duzia de dias/semanas/meses? Isto é que eu quero ver! Os ditos de esquerda que se juntem aos outros da direita! Não passam do mesmo a defender o seu peloro e taxo!
De jorge lomba a 16 de Agosto de 2011 às 14:32
Onde está o corte nas gorduras do estado?

Onde está o não aumento de impostos prometido na campanha?

Como medida exemplar, porque não cortam todos os salários que passem acima do saláio do P.da Republica? Podiam ter dado o exemplo já nas nomeações da CGD!

Resumindo : fomos, somos e seremos sempre geridos por individuos que não percebem nada e não passam de uns nabos que acabm por se gerrirem a eles.
É só ladrões.

Comentar post

mais sobre mim

Veja também:

"Pesquisa Sentimental"

 

 

contador

pesquisar

posts recentes

Concurso de blogues

Voltarei

Silêncio...

Horta e Alorna

A Selecção, minuto a minu...

Cosmopolis

Millôr Fernandes

A maçã chinesa

Transigir ou não transigi...

EDP, o verdadeiro escânda...

arquivos

Janeiro 2013

Julho 2012

Junho 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

who?

Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!

subscrever feeds