Segunda-feira, 30 de Janeiro de 2012

A maçã chinesa

Toda a gente (bem; muita gente) fala do artigo que saiu no New York Times sobre as horríveis condições de trabalho nas fábricas chinesas que fornecem a Apple. Os iPhones, que 50 milhões de ocidentais tiveram que comprar se não morriam, foram feitos à custa de algumas mortes chinesas – para não falar das centenas de milhares de operários (só na Foxcomm, um milhão e duzentos mil!) que laboram em condições que associamos ao princípio da Revolução Industrial, quando os trabalhadores labutavam de sol a sol (literalmente) sete dias por semana. Numa ocasião em que foi preciso trocar os vidros de não sei quantos milhões de iPhones à última da hora, os operários foram acordados às cinco da manhã, receberam um chá e um biscoito e fizeram um turno de 12 horas. Nas salas onde aquele maravilhoso alumínio é polido, o pó do metal destrói os pulmões e já explodiu duas vezes (que se saiba) matando uma dúzia de coitados.

O New York Times salienta que não é só nas fábricas que trabalham para a Apple que estas coisas acontecem, todas marcas informáticas ocidentais deslocalizam produção para lá, inclusive a Nokia e a HP. Mas talvez se esperasse que a Apple, uma marca tão clean, com executivos tão cool, de jeans e turtle necks pretas, as coisas fossem diferentes.

 

Em geral o que as pessoas dizem é que a Apple, ou os americanos, ou o ocidente, ou a humanidade, são uns cabrões. No entanto as culpas têm de ser distribuídas de outra maneira. Quanto à Apple, nos últimos anos tem feito centenas de inspecções nas fábricas e pressionado para incontáveis melhorias. No entanto não é o país deles, nem fazem as leis que regem aqueles operários. Têm culpas, certamente, como as tem quem compra os telemóveis.

 

Uma conclusão é que a produção industrial só é comercialmente interessante pagando mal aos operários. No Ocidente, a indústria gerou fortunas no século XIX, quando os trabalhadores operavam em condições semelhantes às da China (e Vietnam, e Tailândia, e etc).  Com operários decentemente pagos, não funciona. Dirão que é a ganância dos patrões. Será; mas, pelos vistos, a ganância dos patrões não se pode curar. Há sempre uma região do globo em que ela é possível, e é essa região que produz para toda a gente.

 

Quanto a culpas, o Governo chinês será o mais responsável. Um Estado que se diz comunista, isto é, onde os proletários estariam no poder, trata os seus trabalhadores como carne para canhão. Não há leis e, quando há, não funcionam. Na China, é o Estado que decide tudo. Podia impedir os ocidentais de vir explorar a sua mão de obra mas, ao contrário, incentiva-os. Quer é PIB. Divisas, para mostrar que é o maior. O proletariado que se lixe.

 

Não vou descartar-me do meu iPhone. Vou é passar a tratá-lo com mais ternura. Há muito sofrimento nesta bela caixa de alumínio.

Impecalvemente polido.

publicado por Perplexo às 03:05
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De Andre a 30 de Janeiro de 2012 às 07:37
Grande artigo. Tu fazes-te!

Comentar post

mais sobre mim


ver perfil

seguir perfil

. 21 seguidores

Veja também:

"Pesquisa Sentimental"

 

 

contador

pesquisar

posts recentes

Concurso de blogues

Voltarei

Silêncio...

Horta e Alorna

A Selecção, minuto a minu...

Cosmopolis

Millôr Fernandes

A maçã chinesa

Transigir ou não transigi...

EDP, o verdadeiro escânda...

arquivos

Janeiro 2013

Julho 2012

Junho 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

who?

Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!

subscrever feeds