Quarta-feira, 23 de Maio de 2007

As moscas são as mesmas

  


Continuo "pour Amelie"; um amigo leitor mais céptico da vida diz que "isso passa", e terá razão, mas o facto é que ainda não passou... Contudo mantenho-me minimamente atento aos dramas do universo, inclusive estes aqui ao pé da porta, pois é impossível não tropeçar neles!


Nestes dois últimos dia assisti a situações televisivas que me deixaram os cabelos em pé e cujos sinais não posso, de maneira nenhuma, ignorar. Há uma mudança de tom - ou melhor, de escala - na choradeira nacional, que só não prenuncia o pior porque a integração europeia não o permitirá. Da crítica aos políticos está a passar-se para a desilusão com o sistema. E da denúncia da bandalheira e roubalheira vai-se para o ataque ao regime.


Rapidamente, as situações. No "Prós e Contras" desta segunda-feira, 21, o tema era "Novo ministro no Governo e as candidaturas à Câmara de Lisboa; o olhar da sociedade sobre a política e os políticos." E a pergunta: "Para onde vai este país?" Paulo Varela Gomes, um historiador de que nunca tínhamos ouvido falar, e que parece ter feito ondas com um artigo sobre Lisboa no "Público" fez um ataque frontal ao regime e declarou que o melhor presidente da C.M.L. foi o Duarte Pacheco. Até mesmo Carlos Abreu Amorim, que nos habituou a comentários pertinentes e claros, não se conteve em deitar abaixo o sistema. Rui Godinho esteve anódino e apenas Proença de Carvalho fez uma ténue defesa da III República, sem deixar de concordar com o panegírico do Estado Novo implícito - explícito - nos comentários de Varela Gomes. Na assistência, o comerciante José Carlos Gomes falou com saudade nas décadas da eficência e do respeito. E houve aplausos para esta lavagem descarada do tempo da outra senhora, e projecção de lama na mulher de 33 anos que agora todos acham uma grande galdéria.


Na terça, no "Choque Ideológico", não houve choque nenhum. Viriato Soromenho, supostamente pela esquerda, não desdisse e até concordou com Rui Ramos, cujo sarcasmo arrogante ("os partidos de esquerda, que por muito menos já queriam trazer para a rua as Chaimites e os cravos") ainda evidencia mais o seu reaccionarismo pomposo.


Vamos lá por partes. A crítica aberta, contundente e até excessiva, é uma grande força da democracia e um dos seus aspectos mais exaltantes. É bom, é excelente, que nos canais públicos apareçam pessoas a criticar este estado de coisas surrealista a que chegamos. Mas não se pode perder de vista que a situação, por pior que seja, não é comparável à situação anterior. E que a situação anterior, por mais méritos que tenha tido, era pesadíssima para os portugueses e ignorava os avanços da sociedade contemporânea. E também, é bom lembrar, havia corrupção, incompetência e bandalheira. Se o grau era maior ou menor, que venha o diabo e decida. Nestes valores, como em todos os valores morais, não há mais nem menos; ou se tem, ou não se tem. E o discurso oprobo e moralista de então mal escondia a corrupção e a imoralidade.


Agora, pelo menos, pode-se criticar. Não serve de muito, é verdade. Mas abre a possibilidade de que algures, alguém seja punido. Ou pelo menos que não o elejam. Os ramos e portas, que andavam de fraldas no antigamente, não sabem o que era a miséria, o obscurantismo, a incultura, a guerra, a moralidade imposta, a tristeza lúgubre.


A questão não é o sistema: não é o sistema que é mau, são as pessoas. O sistema anterior também era mau, porque eram as mesmas moscas. Ou seja, cada povo tem o governo que merece. Uma malta que enche estádios mas que não sai à rua para nem quando a roubam e injuriam, é porque não se importa de ser roubada e injuriada.


O melhor mesmo é ficar no "pour Amélie". Já viram o João Tabarra na zdb? Ou, para os mais clássicos, o Columbano no Museu do Chiado? Pelo menos têm comido croquetes da Versailles? A luxúria, a estética e a culinária continuam a ser a maior desforra, para quem não tem sangue para se proteger dos patifes. 

publicado por Perplexo às 13:43
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

Veja também:

"Pesquisa Sentimental"

 

 

contador

pesquisar

posts recentes

Concurso de blogues

Voltarei

Silêncio...

Horta e Alorna

A Selecção, minuto a minu...

Cosmopolis

Millôr Fernandes

A maçã chinesa

Transigir ou não transigi...

EDP, o verdadeiro escânda...

arquivos

Janeiro 2013

Julho 2012

Junho 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

who?

Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!

subscrever feeds