Quinta-feira, 29 de Março de 2007

Portugal, quem vive? Salazar, Salazar, Salazar!

Não há muito a comentar sobre a pertinência do concurso do "Maior português de sempre"; já o fiz no dia 1 de Fevereiro, com o sugestivo título "A batalha dos cadáveres". Todos os comentaristas se debruçaram sobre esta estranha vitória ­"as primeiras eleições que Salazar ganha", o que não é bem verdade, porque ele ganhou o plebiscito da sua Constituição de 1933, e isso sem dúvida, uma vez que nessa altura ainda não tinha montado o aparelho censório-repressivo que lhe permitiria depois aldrabar todas as eleições do Estado Novo. Mas a vitória não é estranha, admitindo que o concurso vale alguma coisa. Mais estranho seria se ganhasse o estalinista Cunhal que não teve o mesmo peso na História de Portugal, por mais que isso doa aos seus correlegionários. Quanto às razões deste perplexante triunfo do teimoso ditador, não houve falta delas: manipulação do sistema de voto (é um facto: as pessoas recebiam mensagens enganadoras nos telemóveis, que as levavam a votar em Salazar sem saber), saudosismo por uns "bons velhos tempos" que nunca existiram mas que à distância parecem sempre bons, descontentamento com a bandalheira actual. Pensamos que todas elas são de considerar. Não acredito que ainda haja muitos salazaristas verdadeiros; desde a década de 1950 que diminuiam a olhos vistos, com as guerras coloniais reduziram-se ainda mais, e os que possam restar, já velhos, não terão energia nem pachorra para correrias "eleitorais". Quanto a novos salazaristas, não faz muito sentido, uma vez que, por definição, o sistema morreu com o seu autor. A direita do mesmo teor é também muito pequena, como podemos ver nas manifestações do PRN, que acaba de abrilhantar a cidade com um cartaz contra a imigração. Quanto à direita democrática - aqueles que se chamam a si próprios de "conservadores" - também não creio que estejam interessados em defender o velho tirano, nem lhes interessa serem ligados a ele, morto e enterrado numa nova Europa em que as suas teses já não fazem sentido. Quanto ao saudosismo de pessoas que recordam a sua juventude sempre com mais alegria do que a velhice resinza e mal paga, terá tido algum peso, sem dúvida. Ainda se encontram muitos retornados (a guiar táxis) que consideram ter sido traidos pela III República em geral e Mário Soares em particular. (Não adianta explicar-lhes que o Governo não podia negociar apoiado numa tropa que a partir de 26 de Abril se recusava a lutar.) Há também, isso sim, um grande desencanto com o misto de incompetência e corrupção que grassa no Estado, desde o Governo às juntas de Freguesia (com excepções, claro está, de que nunca se fala) e que leva muita gente a aproveitar todas as oportunidades para votar contra, mesmo as mais surrealistas. Isso não significa uma posição anti-democrática, nem contra esta democracia em particular, mas antes contra a corja (gostamos de usar palavras antigas) que se instalou no poder e que o partilha alegremente sob o disfarce mal amanhado de diferentes partidos. O sistema não é bom, mas continua a ser a melhor opção, e disso as pessoas têm consciência. Afinal, permite que se queixem e, até, que votem num ruralista retrógrado para um concurso cretino.



publicado por Perplexo às 22:13
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De ordem detectives privados a 29 de Novembro de 2011 às 01:39
boa tarde very thanks. ler isto é extrmament agradável.. este artigo é mesmo fashion, agora já sou follower cempor-cento desse site! cumps

Comentar post

mais sobre mim


ver perfil

seguir perfil

. 21 seguidores

Veja também:

"Pesquisa Sentimental"

 

 

contador

pesquisar

posts recentes

Concurso de blogues

Voltarei

Silêncio...

Horta e Alorna

A Selecção, minuto a minu...

Cosmopolis

Millôr Fernandes

A maçã chinesa

Transigir ou não transigi...

EDP, o verdadeiro escânda...

arquivos

Janeiro 2013

Julho 2012

Junho 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

who?

Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!

subscrever feeds