Quinta-feira, 1 de Fevereiro de 2007

A batalha dos cadáveres

Já escrevi aqui sobre a inutilidade e imbecilidade do programa da RTP para determinar "O Maior Português de Sempre", ou lá como se chama, abrilhantado pela inenarrável Maria Elisa, a vergonha (e opróbio) da nossa profissão. Não tenho visto, nem acompanhado, nem sei se está a correr melhor ou pior; no outro dia passei por ele, vi a dita cuja a perorar e mudei logo de canal. Mas fiquei a saber, pela imprensa escrita e pelos telemóveis de alguns amigos e conhecidos, da guerra que se estabeleceu entre os adeptos de Álvaro Cunhal e António Salazar para que o respectivo ídolo ganhe o concurso.


Diz-se que os comunistas, com a sua feroz organização, estão todos mobilizados a votar em Cunhal. Para contrabalançar tão criminosa actividade, a direita ultramontana montou uma operação de decepção e engano, que consiste em enviar sms alarmistas às pessoas ("liga-me urgentemente") que as levam a votar inadvertidamente em Salazar quando respondem à mensagem.


Resumindo, uma disputa imbecilóide mas que podia ter alguma graça, tornou-se numa batalha entre dois cadáveres, alimentada pelos amantes do antigamente. É indiscutível que nenhum dos dois falecidos poderia, em sã consciência, obter o título (também é indiscutível que Salazar foi muito mais importante que Cunhal, mas não quero entrar por aí...). O que me deixa perplexo é como o passado recente, que deveria estar enterrado - em campa rasa e a boa profundidade - de repente vem para a actualidade, como se não houvesse coisas mais importantes, ou mais prementes, para ocupar a cabecinha das pessoas. Salazar e Cunhal representam uma situação dialética sinistra e perversa que assombrou a sociedade portuguesa durante 50 anos, e sujas sequelas ainda se fazem sentir 30 anos depois -talvez porque por sua vez fossem a continuidade de questões nunca resolvidas na nossa cultura. Em termos práticos, Salazar foi muito pior, mas apenas porque teve o poder de sê-lo; em termos teóricos não há diferença entre a maldade de ambos - cometida sempre em nome do bem comum, como é de praxe entre os tiranos.


Tenho de admitir que terão de morrer ainda algumas gerações (inclusive a minha...) para que esta história passe definitivamente para a História. Até lá, e dada a falta de imaginação e originalidade de alguns promotores do entertainment nacional, lá vamos ter que aturar estes disparates. O melhor é mesmo ver a Al Jazeera.

publicado por Perplexo às 22:34
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim


ver perfil

seguir perfil

. 21 seguidores

Veja também:

"Pesquisa Sentimental"

 

 

contador

pesquisar

posts recentes

Concurso de blogues

Voltarei

Silêncio...

Horta e Alorna

A Selecção, minuto a minu...

Cosmopolis

Millôr Fernandes

A maçã chinesa

Transigir ou não transigi...

EDP, o verdadeiro escânda...

arquivos

Janeiro 2013

Julho 2012

Junho 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

who?

Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!

subscrever feeds