Domingo, 12 de Novembro de 2006

Cenas alfacinhas

Aqui há poucos dias, passava da meia-noite quando um tipo de má pinta, bêbado ou junquie, mas com mais pinta de bêbado, embirrou com um ar condicionado abandonado no passeio, mesmo em frente das minhas janelas, e começou a agredi-lo com violência. Durante mais de duas horas estraçalhou o aparelho, apenas com as mãos e as peças que arrancava da própria máquina, logo convertidas em martelos e alavancas. Tanto eu como os vizinhos telefonámos para o 112, que disse que ia avisar imediatamente a esquadra da zona, exactamente a um quarteirão daqui. O homem acabou por se cansar, mas a polícia não veio.


Dois dias depois começou a demolição do prédio que dá para as nossas traseiras e pátio. O empreiteiro, levado pelo mais legítimo desejo de gastar o menos possível, só colocou andaimes com rede de protecção na parte da frente – certamente porque os fiscais devem andar por aí a ver se ganham o deles, muito legitimamente. Iniciada a demolição, as pedras choviam como granizo aqui no pátio, algumas suficientemente grandes para matar uma vaca. Caiu mesmo uma enorme conduta de exaustor, arrancada por um homem pendurado na dita, sem capacete nem arnês, a uns dez metros de altura. Mas outro homem veio polidamente pedir a chave do pátio, e levou-a às costas. Telefonei para a C.M.L. e fui muito cortezmente atendido por uma jovem que pareceu interessar-se pelo problema, percebê-lo perfeitamente e até estar a visualizar a situação. Disse que ia mandar proceder imediatamente. Até hoje não aconteceu nada. Se a C.M.L. demorar mais uma semana, quando chegarem o prédio já desapareceu, grande parte dele para o nosso pátio.


Esta noite a E.P.A.L está à nossa porta com um martelo pneumático abaixo do piso da rua, a furar uma placa de cimento que eles não esperavam que fosse tão forte. Como é que eu sei que não esperavam? Eram onze da noite e fui lá falar com o Sr. Engenheiro.


- Então, isto é uma emergência?


Olhou para mim, desconfiado.


- É, é uma emergência.


- Mas não estão a trabalhar para o metropolitano?


(O metropolitano vai passar por aqui, e a EPAL anda há meses a desviar as condutas.)


- É para o metropolitano mas é uma emergência.


- Mas não estou a ver nenhuma água a jorrar.


- A emergência é que não esperávamos que a placa fosse tão forte.


Conversa puxa conversa, queixou-se que estavam quatro horas atrasados, e jurou que acabava daí a uma hora. Neste momento são duas da manhã e o martelo pneumatico não descansa. Nem eu, evidentemente.


Não vou estar aqui a tirar a moral da história. Serviços municipais, empresas municipais… Para bom entendedor, três comentários bastam.

publicado por Perplexo às 01:12
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim


ver perfil

seguir perfil

. 21 seguidores

Veja também:

"Pesquisa Sentimental"

 

 

contador

pesquisar

posts recentes

Concurso de blogues

Voltarei

Silêncio...

Horta e Alorna

A Selecção, minuto a minu...

Cosmopolis

Millôr Fernandes

A maçã chinesa

Transigir ou não transigi...

EDP, o verdadeiro escânda...

arquivos

Janeiro 2013

Julho 2012

Junho 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

who?

Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!

subscrever feeds