Sexta-feira, 13 de Outubro de 2006

O que vai por aí

Nós aqui, no jardim à beira-mar plantado, habituados aos brandos costumes, temos o conforto duma comunidade muçulmana (maior do que se pensa), pacata, confortável com o liberalismo ideológico da República e desejosa de prosseguir com a sua vida civil sem chatear ninguém e sem ninguém a chatear. Têm liberdade de culto (como aliás toda a gente, IURD, budistas, satânicos e fetichistas), podem exibir a sua crença à vontade (véus, máscaras, plumas, o que quiserem) e, embora provavelmente achem a nossa sociedade profana, dissoluta e despudorada, limitam-se a ignorar o que não lhes agrada. Que Alá os abençoe e os cubra de benesses.


Por isso nós aqui, no jardim, não temos muito a noção do que vai por essa Europa. Mas basta ter acesso à comunicação social francesa ou inglesa para ver a demência crescente que progressivamente toma mais espaço nesses países. Por um lado há as minorias muçulmanas radicais, cada vez mais descaradas na agressividade contra a cultura que as acolhe e aceita, e por outro lá há as autoridades cada vez mais baralhadas e hesitantes quando ao modo de lidar com esse radicalismo.


Em Inglaterra (muçulmanos: 5%), já se fala que a próxima coroação será “ecuménica”, os ministros descem à rua e são ameaçados e insultados, e as autoridades vão às comunidades minoritárias de chapéu na mão e jurar que não são facciosas. Outro dia, um polícia muçulmano recusou-se a fazer guarda em frente à embaixada de Israel e o comando concordou. John Reid, o ministro do Interior, ouviu um fanático perguntar-lhe “como se atreve a vir aqui, depois de ter prendido tantos de nós?” As histórias são diárias e absolutamente surrealistas.


Em França, passa-se o contrário: o Estado parece apostado em tomar todas as medidas possíveis para aumentar o número de radicais. É o caso da lei que proibiu o uso de lenço na cabeça às jovens muçulmanas das escolas. (A escola ser laica significa que a escola não ensina religião; não significa que as pessoas religiosas não podem ir à escola.) E o caso da lei que considera crime “negar o genocídio dos Arménios pelos Turcos”. (Estas leis que criminalizam negar certos massacres históricos parecem-nos tão absurdas como os massacres em si. Mas adiante.) Ao nível executivo, simultaneamente fecha-se os olhos à poligamia dos muçulmanos e dá-se dinheiro às “obras sociais” das mesquitas. Entretanto, todos os meses há centenas de carros incendiados, dezenas de polícias agredidos, milhares de áreas onde os não residentes não se atrevem a por os pés.


À conta de tudo isto, as cidades são vigiadas dia e noite (isto tanto em Inglaterra como em França) por incontáveis câmeras de segurança que vigiam os cidadãos continuamente.


Também à conta de tudo isto, cresce a xenofobia e o racismo. Num artigo do Guardian diz-se que essas atitudes estão “a chegar ao centro”, isto é, já não são exclusivas da extrema direita. A solução de deportar os descontentes parece cada vez mais a única solução para conseguir paz social. Simon Heffer, um dos mais cotados colunistas ingleses, diz que “quem queira viver segundo a sharia, há muitos sítios para onde pode ir. E que vá, o mais depressa possível. Se ficar, então que se comporte.”


A nós, o que nos deixa mais perplexos, é que nos sentimos inclinados a concordar com ele.

publicado por Perplexo às 01:57
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

Veja também:

"Pesquisa Sentimental"

 

 

contador

pesquisar

posts recentes

Concurso de blogues

Voltarei

Silêncio...

Horta e Alorna

A Selecção, minuto a minu...

Cosmopolis

Millôr Fernandes

A maçã chinesa

Transigir ou não transigi...

EDP, o verdadeiro escânda...

arquivos

Janeiro 2013

Julho 2012

Junho 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

who?

Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!

subscrever feeds